Pular para o conteúdo principal

SescTV exibe novos curtas-metragens da série Cinema de Rua, dirigida por Kiko Santos

São 11 vídeos que serão exibidos na sequência no dia 27/4, quinta, às 21h
Na foto: Kico Santos e Jones Gama. Divulgação.

Com linguagem poética e narrativas contemplativas, 11 novos curtas-metragens, da série Cinema de Rua, sugerem novas formas de ver a metrópole e revelam o comportamento das pessoas que por ela transitam. As produções inéditas foram gravadas nas cidades de São Paulo, Berlim, na Alemanha, Mançura, no Egito, e na região da Patagônia argentina, e estreiam no SescTV no dia 27/4, quinta, às 21h, com direção de Kiko Santos. Posteriormente, os filmes serão exibidos separadamente nos intervalos da programação do canal (Assista também em sesctv.org.br/avivo).
O curta Contra Plongée, que abre a seleção, foi filmado com uma pequena câmera instalada no chão de diferentes locais da cidade de São Paulo, captando, em contra-plongée, ou seja, de baixo para cima, o movimento da cidade. Na produção seguinte, Fotogramas, a câmera foca em detalhes urbanos, como pinturas em muros; alguém digitando ao celular dentro de um ônibus; um mendigo que compartilha o mesmo espaço onde há um cartaz que pede para espalhar amor; e crianças brincando em playground.
O curta O Que Faz Girar tem na narrativa a troca de olhares entre uma jovem, que está dentro de um trem na estação, e um rapaz que está na plataforma. Logo depois, Hipertermia registra um dia de temperatura alta em uma grande cidade, chegando a 38º, e as diferentes formas das pessoas se protegerem, ou não, do calor. Já SP 462, editado em câmera rápida, presta homenagem ao 462º aniversário da cidade de São Paulo, que vive em constante agitação. O filme mostra o dia a dia da metrópole, com seus arranha-céus, avenidas e marginais, metrôs, painéis com luzes de neon, aeroportos etc.
Orgulho Crespo traz depoimento, em off, de uma das organizadoras de uma marcha, na capital paulista, em prol do orgulho negro. Ela fala da importância de fugir dos padrões impostos pela sociedade e de usar cabelos naturais.  Em Audifax, o escritor e artista plástico cearense Audifaz Rios (1946 – 2015) apresenta algumas de suas obras para livros e capas, com elementos do folclore nordestino. O filme é permeado por trechos de seus textos. Mançura – Egito tem como cenário a pequena cidade que dá nome ao curta, destacando sua cultura, trajes, arquiteturas, o comércio e a feira.
Três curtas fecham o programa. Patagônia, que faz um passeio pela Região Sul da América Latina, mostrando a paisagem com montanhas geladas e céu azul, a vegetação, a igreja, palafitas e criação de ovelhas; Travessia, fotografado em preto e branco, mostra o esforço braçal de dois barqueiros para por em movimento um pequeno barco; e Die Walz acompanha o trabalho de um tocador de realejo em Berlim, na Alemanha, que aos poucos, vai chama a atenção daqueles que por ali passam.


SERVIÇO:

Cinema de Rua
Contra Plongée / Fotogramas / O Que Faz Girar / Hipertermia / SP 462 / Orgulho Crespo / Audifax / Mançura Egito / Patagônia / Travessia / Die Walz
Estreia: 27/4, quarta, às 21h.
Reapresentações: 29/4, sábado, às 20h; e 30/4, domingo, às 6h30 e às 13h30.
Classificação indicativa: Livre
Direção: Kiko Santos
Produção: Prompt
Duração total: 25’44”

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv

Divulgação/SESC TV

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

Estações do Ano

Nos vastos campos verdejantes Desabrocham flores silvestres Que com variadas tonalidades Dão vida!À linda paisagem agreste.
É tempo da primavera... Colorida estação... Que enfeita a natureza À espera do verão:
Espetáculo tropical Que ocorre cada ano Para que no ato final Caiam as folhas no outono.
Este ciclo "vicioso" O inverno encerrará Para que lindas flores Voltem aos jardins enfeitar!
Autor:Luiz Augusto da Silva Olímpia- São Paulo- Brasil Data:20/03/2011
Afinal, porque as folhas caem... Sabem?
Um abraço fraterno à espera do inverno...