Pular para o conteúdo principal

Filme: A minha canção de Amor

Fernanda Santiago Valente

O roteiro do filme embora pareça um pouco descosturado, apresenta uma fiel mensagem sobre pessoas solitárias que se esbarram com alguma tragédia na vida. Os personagens centrais da história é Jane, uma cantora que ficou paraplégica após um acidente e Joey,  um amigo que conheceu numa clínica psiquiátrica, que apresenta um transtorno mental que pode ser classificado como a esquizofrenia, pois ouve vozes e vê anjos.
A história mostra a não aceitação de Jane por estar nessa condição. Joey, embora perturbado, também foi afetado pelo transtorno após perder toda a sua família. Ele não escolheu isso. No entanto, esses dois solitários se atraem perante suas condições. Podemos sim admitir que deprimidos atraem deprimidos.
O percorrer da história é todo um incentivo de Joey, que faz de tudo para que Jane volte a cantar e a se encontrar com o seu filho que acabou deixando para trás por falta de trabalho e recursos financeiros. Uma carta escondida de Jane, enviada por seu filho para que participe da sua primeira comunhão é o ponto chave para uma mudança e transformação. Joey, mesmo com suas estranhas características é quem a conduz positivamente.
Nesta missão, vários personagens também transtornados por perdas e fracassos vão surgindo pelo caminho. Podemos até chamar de lei da atração. Quem tem algum parente na condição esquizofrênica, logo se identifica. Sem contar que a pessoa que adquire alguma deficiência na fase adulta se não passar por um acompanhamento psicológico, sempre acabará se entregando ao fracasso e a depressão sem enxergar as possibilidades que há pelo caminho. Por que Jane rejeitou a música? Não foi a voz que ela perdeu...
O filme levará o telespectador a refletir durante vários momentos. Alguns poderão estranhar o comportamento de todos os personagens, mas se colocar a empatia em ação, entenderá que é um mundo real, mesmo que não compreenda. A trilha sonora é envolvente e ali é possível notar que a busca por uma nova canção de amor pode valer a pena.


Ficha técnica:

De Olivier Dahan, EUA-França, 2010
Com Forest Whitaker (Joey), Renée Zellweger (Jane Wyatt), Madeline Zima (Billie), Nick Nolte (Caldwell), Elias Koteas (Dean), Annie Parisse (Nora), Chandler Frantz (Devon), Richmond Hoxie (Jeff Nofray)
Argumento e roteiro Olivier Dahan
Fotografia Matthew Libatique
Canções originais Bob Dylan
Produção Légende Films. Blu-ray e DVD Califórnia Filmes.

Cor, 102 min

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…