Pular para o conteúdo principal

É gritando que se resolve as coisas?


Fernanda Santiago Valente

Não é fácil ser pais de crianças de 2 a 3 anos. A tão conhecida fase da birra. São raras as crianças que não desenvolvem essa fase. Aprendi na experiência que gritar com elas, piora. Meu filho tem dois anos e um mês, é serelepe e ainda está aprendendo a lidar com suas emoções. Ele está aprendendo a se comunicar. Ainda fala pouco. Quando quer chamar a atenção, principalmente a minha, joga tudo o que vê pela frente no chão. Sempre tento acalmá-lo, buscando entender o que ele quer dizer. Se estiver ao meu alcance, atendo o pedido dele, se for algo que não seja adequado a ele, imponho limites. Digo não, explico porque não pode. Ele chora e passando alguns minutos, para de chorar. Faz pouco tempo que tenho aprendido a lidar com isso, pois em alguns momentos, eu gritava com ele.
O meu filho entrou na escola este ano. Um pouco antes de completar dois aninhos. No entanto, passamos por uma fase de adaptação. Durante uma semana e meia eu fiquei na escola com ele, juntamente com as professoras. Elas explicaram como seria a rotina dele na escola e apresentaram tudo isso aos pais na prática, pois participamos com as crianças das atividades.
O meu Davi é agitado, é daquelas crianças que dificilmente ficam quietas. Na escola, eu ficava observando as outras crianças e elas ficavam quietas, participando de todas as atividades, mas o Davi, não. Enquanto as crianças estavam numa roda cantando musiquinhas com as professoras. ele estava mexendo nos livros que estavam na estante, mudando tudo de lugar. Eu o tirava de lá e o colocava sentado com as crianças. Não adiantava. Ele voltava a mexer nos livros. Aí teve um momento que não aguentei e dei um grito:
_É para ficar sentado lá!
De repente uma das professoras veio particularmente conversar comigo:
_Mamãe, não é com grito!
_Então, faço o que?
_Deixe!
A partir daí, descobri que o objetivo é ignorá-lo. Ele só estava querendo chamar a atenção de todos. Realmente não é com grito que se resolve. Comecei a observar melhor as atitudes dele. Ao invés de ficar nervosa e aborrecida porque não me obedecia, aprendi a compreender porque estava fazendo algumas coisas. Ele já está há dois meses na escola, e hoje, participa de todas as atividades. Em casa, quando insisto que faça alguma atividade, não dá certo. Eu simplesmente pego folhas e giz de cera e começo a desenhar, ignorando se ele está fazendo alguma birra. Logo, ele senta ao meu lado e começa a desenhar junto. Uso a mesma técnica para brincar, assistir televisão, comer. Eu inicio. Não o chamo. Ele vem.
Isso não significa que todas as mães devam seguir essas regras, ainda mais porque cada criança é diferente. Eu apenas encontrei um jeito de lidar com as birras do meu filho, a fase que ele está aprendendo a lidar com as emoções.
Nós somos diferentes das crianças, já passamos por essa fase. Noto que a maioria dos adultos tratam as crianças como pensassem igual a eles. Ambiente de adulto não é lugar para crianças, a não ser que tenha monitores para elas. Se eu precisar participar de algum grupo de estudo, algum curso ou até mesmo tomar um café com uma amiga, sei muito bem que meu filho deverá ficar com meu esposo ou avós. Se eu não fizer isso, o meu filho chamará a atenção porque ele ainda está desenvolvendo a comunicação. Ele tem dois anos. Quer a minha atenção. Não é um adulto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Psicologia, Autoconhecimento e Autoestima: O reflexo de tudo

Por Fernanda Valente


No módulo de Psicologia do Desenvolvimento: quadros clínicos, da minha pós em Educação Especial e inclusiva, com a Dra. Patrícia Widmer, aprendi que estamos aqui neste mundo para problematizar as coisas e que o desafio da realidade é sempre diferente dos nossos planos. O que é o desenvolvimento e como ele acontece? Nosso senso comum faz parte da Psicologia. Este senso faz parte do nosso desenvolvimento. A Psicologia faz parte disso tudo. São os conhecimentos acumulado, intuitivo, espontâneo, vida prática, situações do nosso cotidiano que são diferentes do conhecimento cientifico: realidade e abstração. A Psicologia começou com a Filosofia a partir de questões existenciais. Nossa mente está relacionada a nossa psiquê, nossa alma, o inconsciente. Faz parte do cérebro, mas não estamos vendo. Ela está relacionada às nossas fantasias, devaneios, brincadeiras, imaginação, etc. É um conhecimento que acumulamos através das nossas vivências. A Psicologia vai estudar o ser h…

Dedicação e Amor

Por Luiz Augusto da Silva
Quando ainda menino Os estudos iniciava Sempre muito animada Minha avó me incentiva. Fazia tudo com carinho Do fundo do coração  Fortalecida pelo amor Com muita dedicação.  Preparava minha merenda Pãezinhos com goiabada Um prazer muito grande Na sua voz eu notava. Seguia-me ao portão  Até eu virar a esquina Seguindo o meu caminho Para uma escola pequenina. Durante a minha infância  Nunca vi nada igual O seu amor é bondade Transcediam ao natural. Hoje mais uma vez Relembrando o seu amor Com saudades faço votos: Que no seu descanso eterno Hajam hinos de louvor.
Agosto/2008 In Memorian: Henriqueta Maria  da Silva. (avó materna)

Na Medida Certa

Por Luiz Augusto da Silva

Ouça a voz do coração Voa com leveza Prova melhores sabores Sinta perfume das flores Tenha muitos amores Exercita a gratidão Elimina a tristeza Viva com realeza.
23/06/2017