Pular para o conteúdo principal

É gritando que se resolve as coisas?


Fernanda Santiago Valente

Não é fácil ser pais de crianças de 2 a 3 anos. A tão conhecida fase da birra. São raras as crianças que não desenvolvem essa fase. Aprendi na experiência que gritar com elas, piora. Meu filho tem dois anos e um mês, é serelepe e ainda está aprendendo a lidar com suas emoções. Ele está aprendendo a se comunicar. Ainda fala pouco. Quando quer chamar a atenção, principalmente a minha, joga tudo o que vê pela frente no chão. Sempre tento acalmá-lo, buscando entender o que ele quer dizer. Se estiver ao meu alcance, atendo o pedido dele, se for algo que não seja adequado a ele, imponho limites. Digo não, explico porque não pode. Ele chora e passando alguns minutos, para de chorar. Faz pouco tempo que tenho aprendido a lidar com isso, pois em alguns momentos, eu gritava com ele.
O meu filho entrou na escola este ano. Um pouco antes de completar dois aninhos. No entanto, passamos por uma fase de adaptação. Durante uma semana e meia eu fiquei na escola com ele, juntamente com as professoras. Elas explicaram como seria a rotina dele na escola e apresentaram tudo isso aos pais na prática, pois participamos com as crianças das atividades.
O meu Davi é agitado, é daquelas crianças que dificilmente ficam quietas. Na escola, eu ficava observando as outras crianças e elas ficavam quietas, participando de todas as atividades, mas o Davi, não. Enquanto as crianças estavam numa roda cantando musiquinhas com as professoras. ele estava mexendo nos livros que estavam na estante, mudando tudo de lugar. Eu o tirava de lá e o colocava sentado com as crianças. Não adiantava. Ele voltava a mexer nos livros. Aí teve um momento que não aguentei e dei um grito:
_É para ficar sentado lá!
De repente uma das professoras veio particularmente conversar comigo:
_Mamãe, não é com grito!
_Então, faço o que?
_Deixe!
A partir daí, descobri que o objetivo é ignorá-lo. Ele só estava querendo chamar a atenção de todos. Realmente não é com grito que se resolve. Comecei a observar melhor as atitudes dele. Ao invés de ficar nervosa e aborrecida porque não me obedecia, aprendi a compreender porque estava fazendo algumas coisas. Ele já está há dois meses na escola, e hoje, participa de todas as atividades. Em casa, quando insisto que faça alguma atividade, não dá certo. Eu simplesmente pego folhas e giz de cera e começo a desenhar, ignorando se ele está fazendo alguma birra. Logo, ele senta ao meu lado e começa a desenhar junto. Uso a mesma técnica para brincar, assistir televisão, comer. Eu inicio. Não o chamo. Ele vem.
Isso não significa que todas as mães devam seguir essas regras, ainda mais porque cada criança é diferente. Eu apenas encontrei um jeito de lidar com as birras do meu filho, a fase que ele está aprendendo a lidar com as emoções.
Nós somos diferentes das crianças, já passamos por essa fase. Noto que a maioria dos adultos tratam as crianças como pensassem igual a eles. Ambiente de adulto não é lugar para crianças, a não ser que tenha monitores para elas. Se eu precisar participar de algum grupo de estudo, algum curso ou até mesmo tomar um café com uma amiga, sei muito bem que meu filho deverá ficar com meu esposo ou avós. Se eu não fizer isso, o meu filho chamará a atenção porque ele ainda está desenvolvendo a comunicação. Ele tem dois anos. Quer a minha atenção. Não é um adulto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terminou a folia!

Terminou a folia;  não tirei a fantasia;  só transmito alegria; nada de melancolia. Sou Palhaço! Meus nervos são de aço. com meus versos,  meus sentimentos disfarço.  Sou Palhaço! Com nariz avermelhado; sapato pontiagudo; roupa colorida: No picadeiro,  a platéia alegro;  não iludo - convenço. Assim, conduzo a vida sem perder o compasso... Sou Palhaço! Sou Palhaço! 
13/02/2018 Luiz Augusto da Silva Olimpia - São Paulo

Os benefícios da caminhada

Fernanda Santiago
Existem inúmeras atividades físicas, mas a caminhada tem a menor taxa de abandono de todos eles. É simples e a mudança positiva que você pode fazer para efetivamente melhorar sua saúde cardíaca. Praticar a caminhada por pelo menos 30 minutos por dia pode ajudá-lo: Reduzir o risco de doença cardíaca coronáriaMelhorar a pressão arterial e os níveis de açúcar no sangueMelhorar o perfil lipídico no sangueManter o peso corporal e diminuir o risco de obesidadeMelhorar o bem estar mentalReduzir o risco de osteoporoseReduzir o risco de câncer de mama e de cólonReduzir o risco de não insulino-dependente (tipo 2) diabetes

São muitos benefícios para uma atividade tão simples. Se você mora perto da praia, melhor ainda. Se não tem uma praia próxima, procure um parque.  Caminhe, respire fundo e aprecie tudo ao redor. O corpo agradece!

A tradicional sopa de cebola francesa

Fernanda Santiago Valente Quem é que não gosta de uma sopa no tempo frio? Aqui no Brasil, muitos recomendam a sopa de cebola para quem está com dor de garganta ou gripado. Eu vou além. Amo todos os tipos de cremes e sopas, mas a de cebola tem um sabor especial. A sopa tradicional da cozinha parisiense merece toda a atenção.Algumas lendas da França afirmam que a sopa de cebola foi inventada por Louis XV, quando passavam por uma crise. Ele só tinha cebolas, manteiga e champanhe como alimentos, assim como toda a população de baixa renda. A receita ganhou novos temperos ao decorrer dos anos e conseguiu conquistar todo o mundo, principalmente nós brasileiros, pois amamos nos deliciar com uma sopinha nos períodos frios, não é mesmo? Ainda nas tradições parisienses, a sopa serve para alimentar também as emoções do dia do tão sonhado casamento. Eles tem o hábito de consumir a sopa após a festa. Isso se repete também em grandes eventos. Se por acaso acordarem de ressaca, também consomem a sopa,…