Pular para o conteúdo principal

É gritando que se resolve as coisas?


Fernanda Santiago Valente

Não é fácil ser pais de crianças de 2 a 3 anos. A tão conhecida fase da birra. São raras as crianças que não desenvolvem essa fase. Aprendi na experiência que gritar com elas, piora. Meu filho tem dois anos e um mês, é serelepe e ainda está aprendendo a lidar com suas emoções. Ele está aprendendo a se comunicar. Ainda fala pouco. Quando quer chamar a atenção, principalmente a minha, joga tudo o que vê pela frente no chão. Sempre tento acalmá-lo, buscando entender o que ele quer dizer. Se estiver ao meu alcance, atendo o pedido dele, se for algo que não seja adequado a ele, imponho limites. Digo não, explico porque não pode. Ele chora e passando alguns minutos, para de chorar. Faz pouco tempo que tenho aprendido a lidar com isso, pois em alguns momentos, eu gritava com ele.
O meu filho entrou na escola este ano. Um pouco antes de completar dois aninhos. No entanto, passamos por uma fase de adaptação. Durante uma semana e meia eu fiquei na escola com ele, juntamente com as professoras. Elas explicaram como seria a rotina dele na escola e apresentaram tudo isso aos pais na prática, pois participamos com as crianças das atividades.
O meu Davi é agitado, é daquelas crianças que dificilmente ficam quietas. Na escola, eu ficava observando as outras crianças e elas ficavam quietas, participando de todas as atividades, mas o Davi, não. Enquanto as crianças estavam numa roda cantando musiquinhas com as professoras. ele estava mexendo nos livros que estavam na estante, mudando tudo de lugar. Eu o tirava de lá e o colocava sentado com as crianças. Não adiantava. Ele voltava a mexer nos livros. Aí teve um momento que não aguentei e dei um grito:
_É para ficar sentado lá!
De repente uma das professoras veio particularmente conversar comigo:
_Mamãe, não é com grito!
_Então, faço o que?
_Deixe!
A partir daí, descobri que o objetivo é ignorá-lo. Ele só estava querendo chamar a atenção de todos. Realmente não é com grito que se resolve. Comecei a observar melhor as atitudes dele. Ao invés de ficar nervosa e aborrecida porque não me obedecia, aprendi a compreender porque estava fazendo algumas coisas. Ele já está há dois meses na escola, e hoje, participa de todas as atividades. Em casa, quando insisto que faça alguma atividade, não dá certo. Eu simplesmente pego folhas e giz de cera e começo a desenhar, ignorando se ele está fazendo alguma birra. Logo, ele senta ao meu lado e começa a desenhar junto. Uso a mesma técnica para brincar, assistir televisão, comer. Eu inicio. Não o chamo. Ele vem.
Isso não significa que todas as mães devam seguir essas regras, ainda mais porque cada criança é diferente. Eu apenas encontrei um jeito de lidar com as birras do meu filho, a fase que ele está aprendendo a lidar com as emoções.
Nós somos diferentes das crianças, já passamos por essa fase. Noto que a maioria dos adultos tratam as crianças como pensassem igual a eles. Ambiente de adulto não é lugar para crianças, a não ser que tenha monitores para elas. Se eu precisar participar de algum grupo de estudo, algum curso ou até mesmo tomar um café com uma amiga, sei muito bem que meu filho deverá ficar com meu esposo ou avós. Se eu não fizer isso, o meu filho chamará a atenção porque ele ainda está desenvolvendo a comunicação. Ele tem dois anos. Quer a minha atenção. Não é um adulto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

Estações do Ano

Nos vastos campos verdejantes Desabrocham flores silvestres Que com variadas tonalidades Dão vida!À linda paisagem agreste.
É tempo da primavera... Colorida estação... Que enfeita a natureza À espera do verão:
Espetáculo tropical Que ocorre cada ano Para que no ato final Caiam as folhas no outono.
Este ciclo "vicioso" O inverno encerrará Para que lindas flores Voltem aos jardins enfeitar!
Autor:Luiz Augusto da Silva Olímpia- São Paulo- Brasil Data:20/03/2011
Afinal, porque as folhas caem... Sabem?
Um abraço fraterno à espera do inverno...