Pular para o conteúdo principal

Vaginismo: O silêncio de muitas mulheres

Por Fernanda Santiago Valente

Medo. Dor. Relação sexual não consumada e frustrada. São os sintomas mais comuns das mulheres com vaginismo, uma contração vaginal que causa desconforto, dor e dificuldade em obter uma penetração sexual.

Elas não conseguem usar absorvente interno, a ginecologista tem dificuldade em examiná-las e até a introdução de um cotonete no canal da vagina pode causar desconforto insuportável. Elas são as vagínicas, mulheres que tem medo de sexo, dor e pânico ao transar. Para se livrarem do incomodo, buscam tratamento através de terapia psicológica e fisioterapia pélvica. A cura existe, porém, o assunto é pouco explorado até por profissionais da área médica. Muito se fala em sexo, prazer, orgasmo, mas numa roda de amigas, poucas são capazes de confessar que não conseguem consumar a relação sexual. Vagínicas, em geral, passam meses e anos só nas preliminares e muitas vezes o sentimento de vergonha as impede de buscar um tratamento especializado.

Rumo à cura!

O assunto é tão delicado que muitas mulheres tem encontrado na Internet espaço para compartilhar seus medos, sintomas e frustrações. O blog é um território livre para elas. Vanismo, rumo a cura! de Melissa Albuquerque, 33 anos, professora, moradora de Brasília. Melissa está casada há dois anos e oito meses, casou virgem e o problema começou exatamente na lua de mel.  “Desconfiei de que havia algo estranho comigo ainda na lua de mel, por mais que tentássemos, a penetração não acontecia. Eu não percebia que os músculos da vagina estavam travados, então começamos a pensar que o problema era o hímen, que ele pudesse ser complacente. Após infinitas tentativas frustradas recorremos à Internet, foi aí que encontrei vários blogs que descreviam a minha história”, desabafa.
São alguns blogs pela Internet como o da Melissa, e os relatos sempre são parecidos. Algumas preferem não se revelar, usando pseudônimos. As blogueiras vagínicas tentam ajudar uma a outra. Este pelo menos, foi o primeiro passo de Melissa: “Passei a seguir as dicas das blogueiras, também vagínicas, na esperança de me curar. Comprei dilatadores vaginais e comecei a fazer exercícios com eles (técnicas de relaxamento e tentativas de  introduzi-los). Infelizmente não consegui evoluir sozinha, e foi aí que tomei coragem de procurar ajuda da fisioterapia e da terapia”, explica.
O tratamento de Melissa já dura um pouco mais de um ano, já recebeu alta da fisioterapia, mas a terapia continua: “Ainda não me sinto curada, pois sinto desconforto no momento da penetração. Mas já conseguimos penetração em todas as nossas relações sexuais.”, conclui.
Outra história parecida é da Hosana Corbal, 23 anos, técnica em eletrotécnica, natural do Rio de janeiro, mas moradora também de Brasília, há um ano. Ela é recém casada e buscou o tratamento logo no começo. Nos primeiros três meses de fracasso procurou um profissional: “Eu procurei uma ginecologista que me diagnosticou vaginismo e me encaminhou para uma sexóloga”, explica.
A sexóloga, encaminhou Hosana para uma fisioterapeuta: “Só iniciei a minha vida sexual após o casamento. Eu sentia uma dor muito forte durante a relação. Cheguei a pensar que fosse inexperiência, mas notei que tinha algo errado ao tentar várias vezes e não conseguir que a penetração acontecesse. Tudo fica tenso. Pernas, virilhas, barriga. É uma dor intensa.”
Foi junto com o marido que Hosana começou as sessões de fisioterapia pélvica e as atividades sexuais com o marido foram suspensas por conta do processo de sensibilidade: “No início, eu não conseguia introduzir nem o cotonete na vagina, mas aos poucos fui vencendo, com a utilização dos dilatadores vaginal”, comenta. Ela conta ainda que são seis dilatadores, cada um de um tamanho, simulando o pênis. O tratamento começa com a introdução do menor para o maior. Após a introdução do sexto dilatador a relação sexual completa  é liberada. O marido de Hosana participou de todas as sessões: “Precisei de paciência e disciplina. Minha terapeuta sempre fazia exercícios para eu fazer sozinha com o meu esposo. Isso melhorou o nosso diálogo. Muitas vezes eu me sentia com defeito ou inferior a outras mulheres, mas aos poucos eu vi que não tinha nada a ver, eu necessitava trabalhar a minha mente”. Hosana se livrou do problema após sete meses de tratamento.
Já o caso da blogueira Luth Fray, 25 anos, paulistana e professora de educação básica II, decidiu procurar ajuda logo após o fracasso da primeira tentativa de penetração: “Era uma dor insuportável, uma queimação muito forte em toda a região genital. E até hoje, minha dor não se restringe apenas a essa área, normalmente sinto dor no abdómen, nas coxas, panturrilha e em toda a planta do pé. É insuportável”.
Luth também explica que as vagínicas sentem desejo, excitação, prazer, mas travam apenas na hora da penetração: “Não existe falta de desejo, apenas a penetração é difícil”

A sexologia e o vaginismo

A psicóloga e sexóloga Rose Villela, com formação em EMDR (técnica rápida de trabalhar com traumas) e apresentadora do programa “Prazer em Conhecer, Sexo na Web pra você” arrisca alguns fatores que desencadeiam o problema: “Geralmente uma criação rígida, moralista e religiosa podem levar ao vaginismo, além da imagem que se tem dos homens, como safado, que só quer aproveitar, cuidado para não engravidar, se engravidar te expulso de casa...”, conta. “Há casos de mulheres que passaram por abuso sexual e estupro”, explica.

Conheça como funciona a terapia com a sexóloga:

1. Quais as principais queixas de suas pacientes?
Medo, não conseguir penetração, dor durante as tentativas, precisar fazer exames preventivos e não concluir.
2. Como funciona o tratamento psicológico?
No tratamento psicológico voltado pra sexualidade, existem técnicas de dessensibilização sistemática, no qual a paciente é orientada a praticar em casa a dilatação da vagina aos poucos até conseguir a penetração por completo. Algumas são resistentes em realizar o tratamento sozinhas em casa, então são encaminhadas a fisioterapia ou ginecologistas (estes sempre com formação em sexualidade e que saibam fazer o tratamento) para acompanhá-las, por questões éticas o psicólogo não podem colocar a mão na região genital do paciente, então tanto a fisioterapeuta como o ginecologista auxiliam neste momento
3. Quanto tempo demora o tratamento?
No mínimo 6 meses, mas vai depender do desempenho da paciente. Tem casos que duram anos”
4. Os parceiros também precisam de terapia? Se sim, como funciona?
A proposta de terapia sexual é sempre com o casal, pois numa relação não é o fulano que está com disfunção, é o casal. Com a participação do parceiro, o tratamento é mais rápido. O problema é que o homem é mais resistente a terapias.
5. Quais os sintomas para diagnosticar o problema?
Não conseguir penetração, dor durante as tentativas. Claro que é importante ficar claro que a primeira vez numa relação sexual a mulher pode ficar tão nervosa e tensa que pode sentir dor, durante a tentativa e inclusive não conseguir ser penetrada, caso isso persista, ai sim é importante procurar um ginecologista para se ter o diagnóstico. Mas com a informação na internet, muitas mulheres já descobrem o que têm. É comum com o tempo apresentarem sintomas de ansiedade no momento da relação, como coração dispara, mãos e pés com sudorese e corpo totalmente rígido.

Pompoarismo e eletroestimulação
A fisioterapeuta Claudia Caetano de Jesus, que ministra palestras de pompoarismo conta que o vaginismo é um problema psicológico e a paciente só consegue praticar os exercícios, quando enfim, relaxa. “No pompoarismo são utilizados movimentos que apertam e relaxam e a mulher pode ter múltiplos orgasmos e o tratamento varia entre dois meses há um ano”. Doutora Claudia explicou que as vagínicas travam involuntariamente e por isso, o trabalho realizado é para o relaxamento muscular, já que elas já se contraem. “Os exercícios também devem ser feito em casa com as bolinhas e introdução do dedo. É importante que o casal faça os exercícios juntos, mas muitas pessoas não praticam os exercícios em casa”.
Outra técnica que Claudia utiliza é com o aparelho eletroestimulador, que serve tanto para as vagínicas como também mulheres que tiveram muitos filhos. Com isso, ocorre uma queda da bexiga. “O tratamento é através de choques elétricos para a mulher ter mais sensibilidade e aumentar a força muscular. Também ajuda a segurar a bexiga, evitando a queda, mais um motivo que pode causar dor durante a relação sexual”, comenta.

Para quem quer saber mais um pouco sobre o assunto, também existe a indicação do livro:  Vaginismo, Quem Cala, Nem Sempre Consente, de Fátima Protti e Oswaldo M. Rodrigues

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

Estações do Ano

Nos vastos campos verdejantes Desabrocham flores silvestres Que com variadas tonalidades Dão vida!À linda paisagem agreste.
É tempo da primavera... Colorida estação... Que enfeita a natureza À espera do verão:
Espetáculo tropical Que ocorre cada ano Para que no ato final Caiam as folhas no outono.
Este ciclo "vicioso" O inverno encerrará Para que lindas flores Voltem aos jardins enfeitar!
Autor:Luiz Augusto da Silva Olímpia- São Paulo- Brasil Data:20/03/2011
Afinal, porque as folhas caem... Sabem?
Um abraço fraterno à espera do inverno...