Pular para o conteúdo principal

Vaginismo: O silêncio de muitas mulheres

Por Fernanda Santiago Valente

Medo. Dor. Relação sexual não consumada e frustrada. São os sintomas mais comuns das mulheres com vaginismo, uma contração vaginal que causa desconforto, dor e dificuldade em obter uma penetração sexual.

Elas não conseguem usar absorvente interno, a ginecologista tem dificuldade em examiná-las e até a introdução de um cotonete no canal da vagina pode causar desconforto insuportável. Elas são as vagínicas, mulheres que tem medo de sexo, dor e pânico ao transar. Para se livrarem do incomodo, buscam tratamento através de terapia psicológica e fisioterapia pélvica. A cura existe, porém, o assunto é pouco explorado até por profissionais da área médica. Muito se fala em sexo, prazer, orgasmo, mas numa roda de amigas, poucas são capazes de confessar que não conseguem consumar a relação sexual. Vagínicas, em geral, passam meses e anos só nas preliminares e muitas vezes o sentimento de vergonha as impede de buscar um tratamento especializado.

Rumo à cura!

O assunto é tão delicado que muitas mulheres tem encontrado na Internet espaço para compartilhar seus medos, sintomas e frustrações. O blog é um território livre para elas. Vanismo, rumo a cura! de Melissa Albuquerque, 33 anos, professora, moradora de Brasília. Melissa está casada há dois anos e oito meses, casou virgem e o problema começou exatamente na lua de mel.  “Desconfiei de que havia algo estranho comigo ainda na lua de mel, por mais que tentássemos, a penetração não acontecia. Eu não percebia que os músculos da vagina estavam travados, então começamos a pensar que o problema era o hímen, que ele pudesse ser complacente. Após infinitas tentativas frustradas recorremos à Internet, foi aí que encontrei vários blogs que descreviam a minha história”, desabafa.
São alguns blogs pela Internet como o da Melissa, e os relatos sempre são parecidos. Algumas preferem não se revelar, usando pseudônimos. As blogueiras vagínicas tentam ajudar uma a outra. Este pelo menos, foi o primeiro passo de Melissa: “Passei a seguir as dicas das blogueiras, também vagínicas, na esperança de me curar. Comprei dilatadores vaginais e comecei a fazer exercícios com eles (técnicas de relaxamento e tentativas de  introduzi-los). Infelizmente não consegui evoluir sozinha, e foi aí que tomei coragem de procurar ajuda da fisioterapia e da terapia”, explica.
O tratamento de Melissa já dura um pouco mais de um ano, já recebeu alta da fisioterapia, mas a terapia continua: “Ainda não me sinto curada, pois sinto desconforto no momento da penetração. Mas já conseguimos penetração em todas as nossas relações sexuais.”, conclui.
Outra história parecida é da Hosana Corbal, 23 anos, técnica em eletrotécnica, natural do Rio de janeiro, mas moradora também de Brasília, há um ano. Ela é recém casada e buscou o tratamento logo no começo. Nos primeiros três meses de fracasso procurou um profissional: “Eu procurei uma ginecologista que me diagnosticou vaginismo e me encaminhou para uma sexóloga”, explica.
A sexóloga, encaminhou Hosana para uma fisioterapeuta: “Só iniciei a minha vida sexual após o casamento. Eu sentia uma dor muito forte durante a relação. Cheguei a pensar que fosse inexperiência, mas notei que tinha algo errado ao tentar várias vezes e não conseguir que a penetração acontecesse. Tudo fica tenso. Pernas, virilhas, barriga. É uma dor intensa.”
Foi junto com o marido que Hosana começou as sessões de fisioterapia pélvica e as atividades sexuais com o marido foram suspensas por conta do processo de sensibilidade: “No início, eu não conseguia introduzir nem o cotonete na vagina, mas aos poucos fui vencendo, com a utilização dos dilatadores vaginal”, comenta. Ela conta ainda que são seis dilatadores, cada um de um tamanho, simulando o pênis. O tratamento começa com a introdução do menor para o maior. Após a introdução do sexto dilatador a relação sexual completa  é liberada. O marido de Hosana participou de todas as sessões: “Precisei de paciência e disciplina. Minha terapeuta sempre fazia exercícios para eu fazer sozinha com o meu esposo. Isso melhorou o nosso diálogo. Muitas vezes eu me sentia com defeito ou inferior a outras mulheres, mas aos poucos eu vi que não tinha nada a ver, eu necessitava trabalhar a minha mente”. Hosana se livrou do problema após sete meses de tratamento.
Já o caso da blogueira Luth Fray, 25 anos, paulistana e professora de educação básica II, decidiu procurar ajuda logo após o fracasso da primeira tentativa de penetração: “Era uma dor insuportável, uma queimação muito forte em toda a região genital. E até hoje, minha dor não se restringe apenas a essa área, normalmente sinto dor no abdómen, nas coxas, panturrilha e em toda a planta do pé. É insuportável”.
Luth também explica que as vagínicas sentem desejo, excitação, prazer, mas travam apenas na hora da penetração: “Não existe falta de desejo, apenas a penetração é difícil”

A sexologia e o vaginismo

A psicóloga e sexóloga Rose Villela, com formação em EMDR (técnica rápida de trabalhar com traumas) e apresentadora do programa “Prazer em Conhecer, Sexo na Web pra você” arrisca alguns fatores que desencadeiam o problema: “Geralmente uma criação rígida, moralista e religiosa podem levar ao vaginismo, além da imagem que se tem dos homens, como safado, que só quer aproveitar, cuidado para não engravidar, se engravidar te expulso de casa...”, conta. “Há casos de mulheres que passaram por abuso sexual e estupro”, explica.

Conheça como funciona a terapia com a sexóloga:

1. Quais as principais queixas de suas pacientes?
Medo, não conseguir penetração, dor durante as tentativas, precisar fazer exames preventivos e não concluir.
2. Como funciona o tratamento psicológico?
No tratamento psicológico voltado pra sexualidade, existem técnicas de dessensibilização sistemática, no qual a paciente é orientada a praticar em casa a dilatação da vagina aos poucos até conseguir a penetração por completo. Algumas são resistentes em realizar o tratamento sozinhas em casa, então são encaminhadas a fisioterapia ou ginecologistas (estes sempre com formação em sexualidade e que saibam fazer o tratamento) para acompanhá-las, por questões éticas o psicólogo não podem colocar a mão na região genital do paciente, então tanto a fisioterapeuta como o ginecologista auxiliam neste momento
3. Quanto tempo demora o tratamento?
No mínimo 6 meses, mas vai depender do desempenho da paciente. Tem casos que duram anos”
4. Os parceiros também precisam de terapia? Se sim, como funciona?
A proposta de terapia sexual é sempre com o casal, pois numa relação não é o fulano que está com disfunção, é o casal. Com a participação do parceiro, o tratamento é mais rápido. O problema é que o homem é mais resistente a terapias.
5. Quais os sintomas para diagnosticar o problema?
Não conseguir penetração, dor durante as tentativas. Claro que é importante ficar claro que a primeira vez numa relação sexual a mulher pode ficar tão nervosa e tensa que pode sentir dor, durante a tentativa e inclusive não conseguir ser penetrada, caso isso persista, ai sim é importante procurar um ginecologista para se ter o diagnóstico. Mas com a informação na internet, muitas mulheres já descobrem o que têm. É comum com o tempo apresentarem sintomas de ansiedade no momento da relação, como coração dispara, mãos e pés com sudorese e corpo totalmente rígido.

Pompoarismo e eletroestimulação
A fisioterapeuta Claudia Caetano de Jesus, que ministra palestras de pompoarismo conta que o vaginismo é um problema psicológico e a paciente só consegue praticar os exercícios, quando enfim, relaxa. “No pompoarismo são utilizados movimentos que apertam e relaxam e a mulher pode ter múltiplos orgasmos e o tratamento varia entre dois meses há um ano”. Doutora Claudia explicou que as vagínicas travam involuntariamente e por isso, o trabalho realizado é para o relaxamento muscular, já que elas já se contraem. “Os exercícios também devem ser feito em casa com as bolinhas e introdução do dedo. É importante que o casal faça os exercícios juntos, mas muitas pessoas não praticam os exercícios em casa”.
Outra técnica que Claudia utiliza é com o aparelho eletroestimulador, que serve tanto para as vagínicas como também mulheres que tiveram muitos filhos. Com isso, ocorre uma queda da bexiga. “O tratamento é através de choques elétricos para a mulher ter mais sensibilidade e aumentar a força muscular. Também ajuda a segurar a bexiga, evitando a queda, mais um motivo que pode causar dor durante a relação sexual”, comenta.

Para quem quer saber mais um pouco sobre o assunto, também existe a indicação do livro:  Vaginismo, Quem Cala, Nem Sempre Consente, de Fátima Protti e Oswaldo M. Rodrigues

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Acredite!

Por Fernanda Santiago


Está sem motivação? Perdeu a direção? Não ousa mais sonhar? Pare, respire e viva. Cerque-se de pessoas alegres, essas tem o poder de influenciar nossas vidas de uma maneira extraordinária. O mundo está muito carente de alegria. Por isso, comece por você. Mude os velhos hábitos. Pare de reclamar! Ouse! Hoje, acorde cedo, faça uma caminhada, converse com alguém que nunca viu, distribua sorrisos. Enfim, comunique-se de uma maneira especial, sendo você mesmo. Não rejeite as pessoas. Encontre em cada olhar algo lindo de se ver. Não sinta medo de conhecer alguém. Cada pessoa é única e possui histórias maravilhosas para serrem contadas e ouvidas. Eu gosto muito de conversar com os idosos, são pessoas carentes, que viveram muito e o que eles tem a oferecer são suas histórias de vidas. Hoje não é como ontem e o amanhã não será como hoje. As pessoas mudam. O tempo corre. Mas não deixe que o tempo o controle. Viva e pronto! Trabalhe com paixão mesmo que o seu emprego não seja o…

ORAÇÃO PELA PÁTRIA

Por Luiz Augusto da Silva
Querido povo brasileiro, só mesmo a oração e a bondade  divinal poderá  moralizar a crise política nacional e dar ao Brasil proteção total! Oremos: Senhor faça o gigante pela  própria natureza,  adormecido em berço esplêndido,  despertar deste atual pesadelo.  Ilumina aos nossos  representantes  para que tenham pela  nossa nação  mais respeito e maior zelo.  Façamos à Deus nosso apelo para sairmos   deste cruel desmantelo. Senhor, livrai-nos do homem corruptor  e das garras do leão devorador.  Faça o povo brasileiro ordeiro  e livre do jugo estrangeiro . Amém!
Uma reflexão para o atual momento!

TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia.