Pular para o conteúdo principal

Documentário inédito expõe paradoxo social do Caboclo de Lança nos Maracatus de Pernambuco

Produção examina personagem famoso por seu misticismo no folclore nacional e por sua popularidade na região da Zona da Mata


O Caboclo de Lança é uma figura mística e tradicional da cultura brasileira. Durante o carnaval, cortadores de cana da Zona da Mata, em Pernambuco, se vestem com cores vibrantes, empunham suas lanças e, no ritmo dos maracatus, festejam pelas ruas da região. Instigada a narrar a história da tradição folclórica dessa festividade, a diretora Andrea Marranquiel, com produção de Marcelo Braga, da Santa Rita Filmes, realizou o documentário Carnaval do Silêncio, que estreia no SescTV no dia 10/2sábado, às 22h. (Assista também no site sesctv.org.br/aovivo).
 
A produção acompanhou os maracatus Cambinda Brasileira, Leão Dourado e Pavão Misterioso de Tracunhaem, todos localizados na Zona da Mata (PE). A tensão entre as ideias de som e silêncio, presente no título do documentário, se explica na situação paradoxal vivida pelos protagonistas da festa, os canavieiros: durante todo o ano, os homens extravagantes no carnaval suportam, calados, a exaustão nas plantações de cana. Apenas no maracatu eles comemoram a condição de caboclo. “A função do maracatu é fazer com que o remanescente de escravo do canavial, em alguns dias, brilhe mais que qualquer usineiro do Brasil’, conta o artista plástico Miguel dos Santos.
 
A história da festa mostra o caráter híbrido da cultura brasileira com a raiz africana, indígena, portuguesa e cigana, compondo uma expressão única. O historiador Severino Vicente da Silva explica a origem da ascendência africana. “Os antigos escravos não tinham como se divertir. Com a abolição, eles começaram a encontrar formas.  E uma delas é o Caboclo de Lança”. Severino ainda acrescenta que, nessa época, os rituais eram menos lúdicos e mais violentos, posta a rivalidade entre as tribos. Os setenta metros de fita enrolados na vara dos caboclos é prova disso. “Diziam que cada fita daquela seria um caboclo que eles teriam matado”, explica o historiador.
 
Contudo, há delicadeza na costura e bordado das roupas do Maracatu, feitas pelos próprios caboclos, e no símbolo simples do cravo branco pendurado à boca. Os caboclos gostam da beleza e simbolismo da flor, mas Severino diz que o cravo é um signo mais profundo. “É um segredo, que só o caboclo sabe”.
 
O historiador ainda defende que a tradição do caboclo seja reconhecida como um símbolo nacional. “A gente tem que se acostumar que o povo brasileiro é capaz de criar seus próprios arquétipos. Nós temos uma mitologia”, protesta. Ele entende que o caboclo pode assimilar até as tendências da tecnologia moderna, mas ele não perderá sua essência. “O mistério permanece”, finaliza.
 
Serviço:
 
Documentário
Carnaval do Silêncio
Estreia: 10/2, sábado, às 22h
Reapresentação: 15/02, quinta, às 24h
Direção: Andrea Pilar Marranquiel
Duração: 61 min.
Classificação indicativa: Livre
 
 
CARNAVAL 2018
 
Além do documentário Carnaval do Silêncio, o SescTV exibe seis produções que abordam tradições, lugares e ritmos de uma das festas mais populares do Brasil.
 
Música: Tias Baianas Paulistas.
Integrantes das alas de baianas de escolas de samba paulistanas cantam clássicos e novidades do samba. Direção: Coi Belluzzo. Classificação indicativa: Livre. Dia 5/2, às 19h.
 
DocumentárioFamília Diniz.
A trajetória do compositor, cantor e músico Hildemar Diniz, mais conhecido como Monarco. Direção: Marcelo Amiky. Classificação indicativa: Livre. Dia 9/2, às 23h.
 
Música: Chiquinha em Revista: Um Tributo a Chiquinha Gonzaga.
A vida e obra da compositora e maestrina é relembrada e cantada por intérpretes apaixonados por suas músicas. Direção: Juliana Borges. Classificação indicativa: Livre. Dia 10/2, às 10h.
 
Comunas do Samba: Cupinzeiro e Amélia Rabelo.
O choro, as toadas e a valsa brasileira se unem ao ritmo do samba de roda, em apresentação realizada no Núcleo de Samba Cupinzeiro. Direção: Coi Belluzzo. Classificação indicativa: Livre. Dia 12/2, às 19h.
 
Temporal: O Choro da Cuíca.
Diferentes gerações de sambistas, homenageiam os participantes da Velha Guarda de escolas de São Paulo. Direção: Kiko Goifman e Olivia Brenga. Classificação indicativa: 10 anos. Dia 13/2, às 23h.
 
Estilhaços: Alegorias e Estresse nas Avenidas.
Uma reflexão sobre os princípios que regem a atuação de operadores de trânsito da Companhia de Engenharia de Trânsito de São Paulo (CET) e dos carnavalescos das escolas de samba paulistanas. Direção: Kiko Goifman. Classificação indicativa: 10 anos. Dia 14/2, às 2h. 
 
  

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 
E no facebook: https: facebook.com/sesctv


Comentários

Parabéns pelo documentário. Já tive a oportunidade de assistir um Grupo Folclórico que trouxe aqui em Olimpia, este belo espetáculo.Compartilho o link com amigos muito interessados neste tema.Sucesso!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

ORAÇÃO PELA PÁTRIA

Por Luiz Augusto da Silva
Querido povo brasileiro, só mesmo a oração e a bondade  divinal poderá  moralizar a crise política nacional e dar ao Brasil proteção total! Oremos: Senhor faça o gigante pela  própria natureza,  adormecido em berço esplêndido,  despertar deste atual pesadelo.  Ilumina aos nossos  representantes  para que tenham pela  nossa nação  mais respeito e maior zelo.  Façamos à Deus nosso apelo para sairmos   deste cruel desmantelo. Senhor, livrai-nos do homem corruptor  e das garras do leão devorador.  Faça o povo brasileiro ordeiro  e livre do jugo estrangeiro . Amém!
Uma reflexão para o atual momento!