Pular para o conteúdo principal

Episódio “Literatura Infantil, a Pequena Gigante”, da série Super Libris, é exibido no SescTV

Inédito, o programa vai ao ar no dia 12/10, segunda, às 21h, com direção geral de José Roberto Torero
 Um terço dos livros vendidos no Brasil são voltados para o público infantil. O País também já conquistou três vezes o Hans Christian Andersen, prêmio considerado o Nobel desse gênero. Para falar sobre esse estilo literário e alguns de seus principais escritores, o episódio Literatura Infantil, a Pequena Gigante, da série Super Libris, entrevista o escritor, ilustrador e pesquisador de livros infanto-juvenis Ricardo Azevedo. Com direção geral do escritor, cineasta e jornalista José Roberto Torero, o programa inédito vai ao ar no dia 12/10, segunda, às 21h, no SescTV.  

Azevedo diz que sempre teve dúvida sobre definir o que é literatura infantil. “Eu acho que se você fizer uma literatura infantil específica para criança, ela vai se transformar num livro didático de alguma forma”. O escritor afirma que prefere que a criança se identifique com o adulto. “Eu sei que existem diferenças entre crianças e adultos, mas acho que a gente não precisa cultivar tanto isso”.

Azevedo fala sobre os primórdios da literatura infantil.  Ele acredita que no século 19 esse gênero já se parecia com o que se tem hoje, e que naquela época surgiram livros que se tornaram clássicos. Dentre esses, ele cita João Felpudo, do alemão Heinrich Hoffmann (1809 – 1894); Alice no País das Maravilhas, do inglês Lewis Carroll (1832 – 1898); e Peter Pan, do inglês J. M. Barrie (1860 – 1937). “Eu acho que aí, sim, já começava a se configurar em uma coisa meio dirigida mesmo para esse público”, comenta. 
Ao discorrer sobre a literatura infantil no Brasil, na virada do século 19 para o 20, Azevedo se lembra do escritor Figueiredo Pimentel (1869 – 1914), que organizou, entre outros, o livro Contos da Carochinha. Para ele, os autores que escreviam para crianças naquele período faziam obras extremamente moralistas, ensinando a amar a pátria, os pais e a não mentir. Para Azevedo, esse gênero começou a mudar com Monteiro Lobato (1882 – 1948). “Ele traz um caráter ficcional que não era tão comum na literatura infantil”, analisa. “Mas, ao mesmo tempo, ele ainda traz muito aquele espírito de dar uma lição para as crianças a respeito de um determinado assunto”, conclui.
Azevedo fala sobre o didatismo, que segundo ele é um erro que o escritor de livro infantil deve evitar, e sobre o pedagógico e o politicamente correto na literatura infantil. O escritor também expõe o que pensa sobre a relação entre ilustração e texto. No quadro Pé de Página, Azevedo mostra o local onde escreve seus livros e faz seus desenhos; e no Primeira impressão, conta como escolheu a literatura e sugere um livro.
Outros quadros também são apresentados no episódio. Orelhas, que fala sobre os escritores Lewis Carroll e Jean de La Fontaine (1621 – 1695), este, francês e autor do livro Fábulas, que o ocupou durante 26 anos; Prefácio traz Dolores Prates, editora, gestora e consultora na área editorial de literatura infanto-juvenil, para dar dica de livro; e Ptolomeus, que exibe diferentes formas de bibliotecas instaladas, como tradicionais, em ônibus, em bonde ou em árvores. Este quadro visita a Biblioteca Infantil Multilíngue Centro Universitário Belas Artes, na capital paulista.

Portal
Super Libris inclui ainda um portal na internet, em superlibris.sesctv.org.br, no qual disponibiliza todos os episódios da série; as 52 entrevistas com autores; e todos os quadros, já editados separadamente para facilitar a consulta.


SERVIÇO:

Super Libris
Literatura Infantil, a Pequena Gigante
Estreia: 12/10, segunda, às 21h
Reapresentações: 13/10, terça, às 9h e às 17h; 14/10, quarta, às 12h30; 15/10, quinta, às 15h; 16/10, sexta, às 9h30 e às 17h30; 18/10, domingo, às 6h e às 14h30; e às 19/10, segunda, às 16h.
Classificação indicativa: Livre
Direção Geral : José Roberto Torero
Produção: Padaria de Textos
Duração: 52’

Próximos episódios deste mês:

Uma Ideia na Cabeça e um Mimeógrafo na Mão
O escritor Chacal, um dos ícones da Geração Mimeógrafo, contextualiza a literatura marginal surgida nos anos 1970. O episódio apresenta ainda o conceito de livro artesanal e traz indicações literárias.
19/10, segunda, às 21h
Classificação indicativa: Livre

O Mundo Cabe no Meu Quintal
A literatura regional e suas relações com a literatura universal é tema deste episódio. O escritor convidado para falar sobre o assunto é Ronaldo Correia de Brito, nascido na cidade de Saboeiro, no Ceará, e autor deGalileia e Três Histórias na Noite.
26/10, segunda, às 21h
Classificação indicativa: Livre

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seres Especiais

Por Luiz Augusto da Silva

Devemos sempre insistir na busca dos ideais. Perseverar sem cansaço, até às metas finais. Recorrermos aos meios, humanos e materiais. Confiantes no apoio, dos Seres Especiais. Sermos sempre otimistas, acreditando nas forças divinas. Fortalecidos pelo altruísmo, impulsos que reanimam. Felizmente neste mundo, os amigos aparecem. Aumentam as energias, que aos idealistas fortalecem. Agosto /2008 (Modificado)

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…