Pular para o conteúdo principal

Descarte os maus comportamentos hereditários

Por Fernanda Santiago


Tudo aquilo que não é bom para as nossas vidas devemos descartar. Outro dia, num estado de ira, falei um palavrão. Meu filho de 3 anos ouviu, e logo, começou a repetir o tal palavrão. Eu me senti envergonhada por isso ter acontecido. Eu sou o exemplo e ele repete tudo o que eu faço ou falo. Mudei a palavra para: Meu Deus do céu. Agora, tudo o que ele vê de errado ou que o deixa nervoso, ele fala: Meu Deus do céu!
Como mãe, tenho o dever de transformar os maus hábitos em algo positivo. O meu filho também copia as tarefas que faço: se eu pego um livro para ler, ele também pega o dele. Se estou varrendo a casa, também quer varrer, se estou tirando o pó dos móveis, também pede um paninho para limpar. A criança se inspira nos pais em tudo o que eles fazem. 
Como transformar os nossos filhos em adultos admiráveis? Dando bons exemplos. Todos nós carregamos os comportamentos dos nossos pais, sejam positivos ou negativos. Se os meus pais são mentirosos, aprenderei com eles a mentir. Se são preconceituosos, também serei. Se acham natural pegar de alguém algo que não lhe pertence, também acharei.
Tudo herdamos dos pais ou daqueles que nos criaram. Se nossos pais são irresponsáveis ou sem disciplina, também seremos. Mas será que conseguimos mudar esses hábitos ruins que herdamos? _Sim!
O primeiro passo para mudar é perceber que o hábito atrapalha. Não é uma tarefa fácil porque nos acostumamos com a nossa família, jeito, comportamentos e muitas vezes achamos tudo natural, pois o que é mais difícil no ser humano é olhar para dentro de si e perceber que o seu eu está todo errado e bagunçado. Admitir que não estamos com a razão é uma vitória. Pode ser dolorido no começo, mas aprenderemos a viver novos hábitos, aqueles que nos fazem crescer, prosperar, avançar...
O que é bom? O que é mau?
Bom é sempre falar a verdade;
Mau é mentir;
Bom é pedir emprestado e devolver;
Mau é não devolver e fugir;
Bom é poupar dinheiro;
Mau é não ter limites e gastar até o que não tem;
Bom é ser pontual;
Mau é chegar sempre atrasado;
Bom é comer saudavelmente;
Mau é comer exageradamente tudo o que prejudica a saude;
Bom é ouvir a história de alguém;
Mau é não ouvir ninguém;
Bom é ser responsável;
Maus é não cumprir as tarefas depositadas em suas mãos;
Bom é enxergar que todos nós somos irmãos e que somos diferentes;
Mau é achar que somos superiores aos outros;
Bom é se interessar pela vida e a cada dia conhecer algo novo;
Maus é não se interessar por nada;
Bom é ter sonhos e planejá-los;
Mau é não sonhar.

O que você quer? Quais são os maus hábitos que você precisa descartar da sua vida?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Atypical, o que você precisa saber sobre o autismo

Fernanda Santiago Valente Você quer saber um pouco mais como é a vida de um garoto com o transtorno do espectro autista que está entrando na vida adulta? Para isso vale a pena assistir a série Atypical que está na Netflix desde o começo do mês de agosto. Não tem como não se apaixonar pelo personagem Sam, que está na fase de descobertas e quer arranjar uma namorada. É nessa busca pela paixão que se desenrola a história. Vamos entender como funciona a sua personalidade e como a situação afeta aqueles que estão ao seu redor. Algo muito interessante a se observar é a relação dele com a psicóloga. Sam se apaixona por ela. Isso é muito comum acontecer com paciente e profissional de sexos opostos, geralmente os pacientes que tem algum tipo de transtorno sempre se apaixonam por seus psicólogos.


Sam, apresentando os sintomas mais nítidos do espectro autista é um adolescente que tem sentimentos como qualquer outro. A única diferença é que seus sentimentos não são interpretados de forma comum. O ro…