Pular para o conteúdo principal

A Educação Proibida

Motivos para agradecer

Fernanda Santiago Valente

Cheiro de café. Cheiro de terra molhada. Dormir ao som da chuva. Abraçar o meu filho. Ganhar cafuné do meu marido... são sensações de gratidão a Deus. Ao analisar a vida, são esses curtos momentos que nos enchem de paz e nos faz realmente felizes. Estamos a todo momento pedindo algo para Deus. Se é um emprego, ele dá, mas logo já nos sentimos insatisfeitos e murmuramos porque não vai de acordo com aquilo que realmente gostaríamos. Logo, queremos outro e não sei dizer se seremos agradecidos ou não.
Na nossa vida, temos pessoas que de alguma forma nos ajudam: pais, amigos, parentes, colegas de trabalho, irmãos da igreja (se você faz parte de alguma), e por aí vai. São pessoas que nos abraçam, animam a nossa vida, nos compreendem... e de que forma estamos sendo agradecidos por elas?
Eu não sei se você sente o mesmo, mas eu sinto que quanto mais agradecemos, mais a vida fica leve. Tenho problemas na minha vida que não sei se sou capaz de mudar, são situações que não dependem de mim. Você tem algum parente que sofre com algum transtorno mental? Você quer ver a pessoa bem, mas não consegue. Anos passam e parece que aquilo piora. Todo mundo sofre. É um problema que se você ficar olhando demais, deprime. Mas aí, quando olho pra Deus, coloco a esperança, mesmo que todos os médicos digam que é um problema que não tem cura.
Deus ainda não me deu respostas sobre esta situação, mas vou confiar. Quero conseguir fazer o correto. Sempre que olho para o alto, consigo enxergar o melhor que há e me alegrar com coisas simples do dia a dia, como as novas amizades que Ele me deu este ano. Sou agradecida porque estou estudando, mesmo sem ter um emprego fixo estou prestando serviços e amo o que faço, mas continuo em busca de algo novo.
Quando o dia tenta me derrubar ou me deprimir, sempre olho para o meu filho, é por ele que devo sorrir. Penso que Deus quer me ver sorrindo também. Enquanto Deus quer nos carregar pelos braços, o diabo quer nos jogar no chão. É uma luta diária. A meta é orar e agradecer por tudo aquilo que me faz sorrir. Não quero chegar ao fim da minha vida e Jesus perguntar: Cadê a Fernanda que não voltou para me agradecer? Igual a parábola dos 10 leprosos que foram curados. Um agradeceu, mas Jesus perguntou pelos outros.

Nossa vida é assim. Horas somos agradecidos, horas ingratos e nos comportamos como esses nove leprosos. Não podemos jamais adiar a gratidão. Sou grata pelo dia de hoje, pelo sol, pela chuva, grata pelo café, grata por ter um lugar para dormir, grata por ter um filho maravilhoso, grata por ter um esposo que é companheiro, grata por poder trabalhar, grata por estar estudando e ampliando os meus conhecimentos, grata pela minha mãe, grata pela minha avó, grata pelos meus amigos e muito grata por sentir o cheiro de café de cada dia. Se olharmos ao redor, temos muitos mais motivos para agradecer. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dez Comportamentos que destroem os melhores casamentos

Por Fernanda Santiago
Casamentos que parecem não ter mais jeito, onde os cônjuges não se respeitam e até que abusam fisicamente um do outro são assuntos abordados no livro Castelo de Cartas, de Gary Chapman. Autor de outros livros como “As cinco linguagens do amor”, “Agora você está falando a minha linguagem“, “A essência das cinco linguagens do amor”, entre outros... Gary explica em Castelo de Cartas as experiências de casais que estavam com os seus casamentos totalmente destruídos pela falta de comunicação, falta de tempo e principalmente falta de respeito, mas que através de conselho e análise pastoral na vida de cada um, pode descobrir o problema e ajudá-los a serem felizes, e principalmente, restaurados pela mudança. O livro relata em todo o momento que devemos abandonar os mitos, aqueles que dizem que o ambiente determina o nosso estado mental. Um exemplo, será que eu não terei jeito se nasci num ambiente violento, ou o qual meus pais fumavam, me abusaram ou me rejeitaram? Ao cont…

Agosto acabou... UFA!

Fernanda Santiago

Nunca fui de acreditar em superstição, mas agosto nunca foi um mês agradável pra mim e nem mesmo para a História: a Primeira Guerra Mundial começou no dia 1º de agosto de 1914, as cidades de Hihoshima e Nagasaki foram atacadas com bombas atômicas nos dias 6 e 9 de agosto de 1945, matando mais de 200 mil pessoas, foi em 2 de agosto de 1934 que Adolf Hitler se tornou Chefe de Estado da Alemanha, entre outros fatos... Não é à toa que é considerado o mês dos desgosto ou da desgraça. A expressão "Mês do Cachorro Louco" tem a ver com com as cadelas que ficam no cio, devido as condições climáticas, os cachorros ficam "muito loucos" e brigam para possuir a fêmea.  E não é só bicho que fica louco: Getúlio Vargas se suicidou no dia 24 de agosto de 1954, muitos católicos e protestantes se mataram em nome de Deus na Irlanda do Norte, em 12 de agosto de 1968, Juscelino Kubitscheck morreu num acidente de carro, em agosto de 1976... Aqui em Santos, caiu um avião, qu…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …