Pular para o conteúdo principal

Documentário inédito registra o dia a dia das crianças A’uwê, seus jogos e brincadeiras que mantêm vivas as tradições Xavante

Com direção de Cristina Flória e Wagner Pinto, a produção estreia no dia 20/4, sexta-feira, às 20h
Foto: Cristina Flória. Descrição da imagem: Duas crianças A'uwê sorrindo para a câmera. Os dois estão vestidos de roupas comum. São meninos. 

O SescTV exibe o documentário inédito A’uté A’uwê Upitab: Ser Criança A’uwê (2017), que revela as brincadeiras de meninos e meninas indígenas, passadas de geração em geração, na aldeia Pimentel Barbosa, em Matinha - MT. Com direção de Cristina Flória e Wagner Pinto, a produção, que estreia no dia 20/4, sexta-feira, às 20h, ainda destaca a escola e a preservação da cultura por esses garotos e garotas (assista também em sesctv.org.br/aovivo).
Na língua a’uwê, falada pelo povo Xavante, a’uté quer dizer criança e a’uwê uptabi - forma como eles se autodenominam - significa povo verdadeiro. Hoje, eles são aproximadamente 18 mil, distribuídos por mais de 200 aldeias, em nove territórios indígenas. Uma dessas aldeias é a Pimentel Barbosa, onde vivem cerca de 300 pessoas. Dentre elas está o cacique Suptó Xavante, que comenta sobre a importância de cuidar do meio ambiente, garantindo o cultivo de alimentos e o futuro das crianças. De acordo com ele, os não indígenas não têm essa preocupação. 
Com o objetivo de preservar a sua cultura, os adultos Xavante ensinam brincadeiras ancestrais para suas crianças, que são passadas de geração a geração. Suptó comenta que esses jogos ajudam no desenvolvimento dos meninos e meninas Xavante, e reitera: “valorizamos as brincadeiras de infância, porque elas revelam a educação de nosso povo”. O documentário mostra que há brincadeiras que são típicas das garotas, como Zöomori (acampamento familiar). Nela, as crianças constroem casinhas “imitando as mulheres mais velhas”, explica a professora Renhoi´ru´õ. Confeccionar cestos com folhas de árvore e cipós também faz parte dos momentos lúdicos das garotas. “Mais tarde, elas irão precisar para carregar seus bebês”, conta Penhoré, uma das adultas que transmite o ofício às pequenas. 
Para os meninos, são reservadas outras atividades: a pesca que, ao mesmo tempo que a praticam, divertem-se saltando nas águas do rio; a caça, que se inicia com o aprendizado de fazer um arco e flecha de brinquedo, para fingirem que são caça e caçador; e a peteca feita de folhas secas de milho e cipó, que é usada na brincadeira tob´daé. O Suptó Xavante e o professor Wilker contam que, nessa brincadeira peculiar dos garotos, o objetivo é acertar o outro e não ser acertado. “Para não ser atingido, precisa ser ágil”, revela Suptó. 
O documentário A’uté A’uwê Upitab: Ser Criança A’uwê apresenta ainda o dapara'dutata'are, que os professores Rene e Wilker ensinam aos meninos. O desafio consiste em atravessar o rio deixando uma perna dentro da água e a outra fora sem molhar o pé. Se molhar é preciso voltar e recomeçar. A transição dos garotos para a vida adulta também é abordada no filme. Confinados na Hö, como é chamada a casa de reclusão, os pequenos xavantes se despedem da infância, levando, na memória, seus jogos e brincadeiras que ajudam a manter viva a cultura de seu povo.

SERVIÇO:
Documentário
A’uté A’uwê Uptabi: Ser Criança A’uwê
Estreia: 20/4, sexta-feira, às 20h
Reapresentação: 22/4, domingo, às 8h; 23/4, segunda-feira, às 5h e às 13h; 25/4, quarta-feira, às 5h; e 26/4, quinta-feira, às 17h.
Classificação Indicativa: Livre
Direção: Cristina Floria e Wagner Pinto
Duração: 40’
Ano: 2017
Produção: A 2.0 Produções Artísticas
Realização: SescTV

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 

Comentários


Parabéns, minha Sintonia, pela publicação bem apropriada para O Dia do Índio.
Beijos no coração ♡

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

ORAÇÃO PELA PÁTRIA

Por Luiz Augusto da Silva
Querido povo brasileiro, só mesmo a oração e a bondade  divinal poderá  moralizar a crise política nacional e dar ao Brasil proteção total! Oremos: Senhor faça o gigante pela  própria natureza,  adormecido em berço esplêndido,  despertar deste atual pesadelo.  Ilumina aos nossos  representantes  para que tenham pela  nossa nação  mais respeito e maior zelo.  Façamos à Deus nosso apelo para sairmos   deste cruel desmantelo. Senhor, livrai-nos do homem corruptor  e das garras do leão devorador.  Faça o povo brasileiro ordeiro  e livre do jugo estrangeiro . Amém!
Uma reflexão para o atual momento!