Pular para o conteúdo principal

Documentário inédito registra o dia a dia das crianças A’uwê, seus jogos e brincadeiras que mantêm vivas as tradições Xavante

Com direção de Cristina Flória e Wagner Pinto, a produção estreia no dia 20/4, sexta-feira, às 20h
Foto: Cristina Flória. Descrição da imagem: Duas crianças A'uwê sorrindo para a câmera. Os dois estão vestidos de roupas comum. São meninos. 

O SescTV exibe o documentário inédito A’uté A’uwê Upitab: Ser Criança A’uwê (2017), que revela as brincadeiras de meninos e meninas indígenas, passadas de geração em geração, na aldeia Pimentel Barbosa, em Matinha - MT. Com direção de Cristina Flória e Wagner Pinto, a produção, que estreia no dia 20/4, sexta-feira, às 20h, ainda destaca a escola e a preservação da cultura por esses garotos e garotas (assista também em sesctv.org.br/aovivo).
Na língua a’uwê, falada pelo povo Xavante, a’uté quer dizer criança e a’uwê uptabi - forma como eles se autodenominam - significa povo verdadeiro. Hoje, eles são aproximadamente 18 mil, distribuídos por mais de 200 aldeias, em nove territórios indígenas. Uma dessas aldeias é a Pimentel Barbosa, onde vivem cerca de 300 pessoas. Dentre elas está o cacique Suptó Xavante, que comenta sobre a importância de cuidar do meio ambiente, garantindo o cultivo de alimentos e o futuro das crianças. De acordo com ele, os não indígenas não têm essa preocupação. 
Com o objetivo de preservar a sua cultura, os adultos Xavante ensinam brincadeiras ancestrais para suas crianças, que são passadas de geração a geração. Suptó comenta que esses jogos ajudam no desenvolvimento dos meninos e meninas Xavante, e reitera: “valorizamos as brincadeiras de infância, porque elas revelam a educação de nosso povo”. O documentário mostra que há brincadeiras que são típicas das garotas, como Zöomori (acampamento familiar). Nela, as crianças constroem casinhas “imitando as mulheres mais velhas”, explica a professora Renhoi´ru´õ. Confeccionar cestos com folhas de árvore e cipós também faz parte dos momentos lúdicos das garotas. “Mais tarde, elas irão precisar para carregar seus bebês”, conta Penhoré, uma das adultas que transmite o ofício às pequenas. 
Para os meninos, são reservadas outras atividades: a pesca que, ao mesmo tempo que a praticam, divertem-se saltando nas águas do rio; a caça, que se inicia com o aprendizado de fazer um arco e flecha de brinquedo, para fingirem que são caça e caçador; e a peteca feita de folhas secas de milho e cipó, que é usada na brincadeira tob´daé. O Suptó Xavante e o professor Wilker contam que, nessa brincadeira peculiar dos garotos, o objetivo é acertar o outro e não ser acertado. “Para não ser atingido, precisa ser ágil”, revela Suptó. 
O documentário A’uté A’uwê Upitab: Ser Criança A’uwê apresenta ainda o dapara'dutata'are, que os professores Rene e Wilker ensinam aos meninos. O desafio consiste em atravessar o rio deixando uma perna dentro da água e a outra fora sem molhar o pé. Se molhar é preciso voltar e recomeçar. A transição dos garotos para a vida adulta também é abordada no filme. Confinados na Hö, como é chamada a casa de reclusão, os pequenos xavantes se despedem da infância, levando, na memória, seus jogos e brincadeiras que ajudam a manter viva a cultura de seu povo.

SERVIÇO:
Documentário
A’uté A’uwê Uptabi: Ser Criança A’uwê
Estreia: 20/4, sexta-feira, às 20h
Reapresentação: 22/4, domingo, às 8h; 23/4, segunda-feira, às 5h e às 13h; 25/4, quarta-feira, às 5h; e 26/4, quinta-feira, às 17h.
Classificação Indicativa: Livre
Direção: Cristina Floria e Wagner Pinto
Duração: 40’
Ano: 2017
Produção: A 2.0 Produções Artísticas
Realização: SescTV

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV 
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/ao vivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv 

Comentários


Parabéns, minha Sintonia, pela publicação bem apropriada para O Dia do Índio.
Beijos no coração ♡

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Poema da Maturidade

Por Luiz Augusto
Ser poeta! É ser romântico. É ser lírico. É estado de espírito. É versificar! É deixar sua alma falar através de um simples olhar. É aprender as lições ensinadas pela vida, repleta de emoções. É a Deus agradecer; pois é Ele que inspira ao poeta a escrever. Ser poeta é no firmamento encontrar a constelação da virtude na galáxia da plenitude, que ofusca a falsidade para a realidade brilhar. Que nubla a violência e faz a existência reinar. É projetar no horizonte da liberdade a igualdade com a luz da fraternidade. É refletir na pujante mocidade centelhas de tenacidade e lampejos de prosperidade. É, com bondade no coração praticar e ensinar a perdoar, gerando espaços para o amor habitar. É reluzir com altruísmo e aos idosos acariciar para que, radiantes de alegria, cheguem a sorrir...chorar... É faze-los enxergar que as rugas esculpidas e delineadas pelo tempo; que os cabelos brancos ou cinzentos não retratam o envelhecimento. Sim; maior discernimento. É com maestria edif…

Dez Comportamentos que destroem os melhores casamentos

Por Fernanda Santiago
Casamentos que parecem não ter mais jeito, onde os cônjuges não se respeitam e até que abusam fisicamente um do outro são assuntos abordados no livro Castelo de Cartas, de Gary Chapman. Autor de outros livros como “As cinco linguagens do amor”, “Agora você está falando a minha linguagem“, “A essência das cinco linguagens do amor”, entre outros... Gary explica em Castelo de Cartas as experiências de casais que estavam com os seus casamentos totalmente destruídos pela falta de comunicação, falta de tempo e principalmente falta de respeito, mas que através de conselho e análise pastoral na vida de cada um, pode descobrir o problema e ajudá-los a serem felizes, e principalmente, restaurados pela mudança. O livro relata em todo o momento que devemos abandonar os mitos, aqueles que dizem que o ambiente determina o nosso estado mental. Um exemplo, será que eu não terei jeito se nasci num ambiente violento, ou o qual meus pais fumavam, me abusaram ou me rejeitaram? Ao cont…