Pular para o conteúdo principal

A literatura regionalista é comentada por Tabajara Ruas no SescTV

Episódio inédito da série Super Libris, O Tietê não É mais Belo que o Rio que Corre pela Minha Aldeia traz entrevista com o escritor, cineasta, tradutor e roteirista gaúcho Tabajara Ruas, que discute a literatura regionalista. Com direção do escritor, cineasta e jornalista José Roberto Torero, a atração vai ao ar no dia 22/8, segunda, às 21h, no SescTV (assista também em sesctv.org.br/avivo).

Natural da cidade de Uruguaiana, no Rio Grande do Sul, Tabajara Ruas (74) é autor de livros como Os Varões Assinalados; Perseguição e Cerco a Juvêncio Gutierrez; e Netto Perde sua Alma. Este último foi adaptado para o cinema e ganhou quatro Kikitos de Ouro no Festival de Gramado e o Prêmio Érico Veríssimo, em 2001. O escritor, que já morou em países como Dinamarca, Portugal, África, Chile e Argentina, tem seus romances traduzidos em mais de 10 países. 

No episódio, Ruas fala sobre o quanto é complexo definir o que é literatura regional, já que “todo mundo que escreve na sua região, escreve literatura regional”, comenta. Contudo, para ele, a literatura deixa de ser regional quando alcança outros territórios e, para isso, precisa ter qualidade na narrativa. “Uma literatura que diz para qualquer pessoa, de qualquer latitude, o que o autor pretende, tem qualidade de escrita”, explica. Ele considera a trilogia O Tempo e o Vento, de Érico Veríssimo, que trata exclusivamente de peculiaridades do gaúcho, como sendo um modelo de literatura universal, porque ele vê no texto uma gigantesca história épica de personagens.

Ruas discute sobre a interferência da globalização e da internet no interesse das pessoas pela literatura; sobre o principal elemento que, para ele, define um livro; e sobre o rol das obras mais vendidas no Brasil. Ele lembra que há 40 anos a lista era dominada por brasileiros, como Jorge Amado, Antônio Calado e Nélida Piñon, e com o tempo foi se alterando; vieram os cronistas, os livros de autoajuda e depois a literatura internacional. “Necessariamente não a melhor”, declara.

SERVIÇO:

Super Libris
O Tietê não É mais Belo que o Rio que Corre pela Minha Aldeia
Estreia: 22/8, segunda, às 21h
Reapresentações: 23/8, terça, às 9h e às 17h; 25/8, quinta, às 15h; 26/8, sexta, às 9h30 e às 17h30, 28/8, domingo, às 6h e às 14h30; e dia 29/8, segunda, às 16h.
Classificação indicativa: Livre
Direção Geral: José Roberto Torero
Produção: Padaria de Textos
Duração: 28’7’’

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Terminou a folia!

Terminou a folia;  não tirei a fantasia;  só transmito alegria; nada de melancolia. Sou Palhaço! Meus nervos são de aço. com meus versos,  meus sentimentos disfarço.  Sou Palhaço! Com nariz avermelhado; sapato pontiagudo; roupa colorida: No picadeiro,  a platéia alegro;  não iludo - convenço. Assim, conduzo a vida sem perder o compasso... Sou Palhaço! Sou Palhaço! 
13/02/2018 Luiz Augusto da Silva Olimpia - São Paulo

Os benefícios da caminhada

Fernanda Santiago
Existem inúmeras atividades físicas, mas a caminhada tem a menor taxa de abandono de todos eles. É simples e a mudança positiva que você pode fazer para efetivamente melhorar sua saúde cardíaca. Praticar a caminhada por pelo menos 30 minutos por dia pode ajudá-lo: Reduzir o risco de doença cardíaca coronáriaMelhorar a pressão arterial e os níveis de açúcar no sangueMelhorar o perfil lipídico no sangueManter o peso corporal e diminuir o risco de obesidadeMelhorar o bem estar mentalReduzir o risco de osteoporoseReduzir o risco de câncer de mama e de cólonReduzir o risco de não insulino-dependente (tipo 2) diabetes

São muitos benefícios para uma atividade tão simples. Se você mora perto da praia, melhor ainda. Se não tem uma praia próxima, procure um parque.  Caminhe, respire fundo e aprecie tudo ao redor. O corpo agradece!

A tradicional sopa de cebola francesa

Fernanda Santiago Valente Quem é que não gosta de uma sopa no tempo frio? Aqui no Brasil, muitos recomendam a sopa de cebola para quem está com dor de garganta ou gripado. Eu vou além. Amo todos os tipos de cremes e sopas, mas a de cebola tem um sabor especial. A sopa tradicional da cozinha parisiense merece toda a atenção.Algumas lendas da França afirmam que a sopa de cebola foi inventada por Louis XV, quando passavam por uma crise. Ele só tinha cebolas, manteiga e champanhe como alimentos, assim como toda a população de baixa renda. A receita ganhou novos temperos ao decorrer dos anos e conseguiu conquistar todo o mundo, principalmente nós brasileiros, pois amamos nos deliciar com uma sopinha nos períodos frios, não é mesmo? Ainda nas tradições parisienses, a sopa serve para alimentar também as emoções do dia do tão sonhado casamento. Eles tem o hábito de consumir a sopa após a festa. Isso se repete também em grandes eventos. Se por acaso acordarem de ressaca, também consomem a sopa,…