Pular para o conteúdo principal

Dia Nacional da LIBRAS e suas conquistas

Fernanda Valente

Hoje é o dia Nacional da Libras – Linguagem Brasileira de Sinais. Muita gente não sabe, mas a Libras é a segunda língua oficial do Brasil. Atualmente, vivemos a era da inclusão, que segue com luta, conquistando cada vez mais o seu espaço. 
A Educação de surdos no Brasil teve início em 1857 quando D. Pedro II convidou Esnest Huet, um professor surdo francês para fundar a primeira escola para surdos do Brasil, o INES - Instituto Nacional de Educação de Surdos, situado no Rio de Janeiro. Antes, o Instituto já foi batizado por outros nomes, que conforme estudos e novos decretos foi se transformando no que é hoje. Começou como Imperial Instituto de Surdos-Mudos, que funcionava como um asilo para meninos surdos de todo o Brasil. O nome do Instituto foi alterado em 1949 para Instituto Nacional de Surdos Mudos. Só em 2008, após pedidos de vários decretos para mudança da lei é que o Instituo recebeu o nome que apresenta atualmente. 
O que é importante que todos saibam é que os surdos não são mudos. Eles falam através das mãos, expressões, olhar. O professor francês só conseguiu ficar no Brasil no período de 5 anos e por motivos pessoais, partiu para o México. A nossa sociedade da época estigmatizava o professor Ernert de louco, pois toda a sua articulação gestual assustava aqueles que não conheciam. Para quem quiser saber um pouco mais sobre isso, indico o livro “As imagens do outro sobre a Cultura Surda”, de Karin Strobel. Além disso, é discutido a oralidade que era imposta como um método de “cura”. Após o professor Ernest sair do instituto, quem assumiu a direção foram pedagogos ouvintes. Com isso, foi nascendo a LIBRAS como é conhecida hoje. 
O INES foi a referência na época. Era utilizada a língua de sinais francesa, trazida pelo professor e foram aos poucos misturando os sinais criados pelos brasileiros. Hoje, a nossa luta continua. A LIBRAS é uma língua. É brasileira. Não podemos segregar. Os surdos estão aí: querem se comunicar, estudar, trabalhar, construir uma sociedade digna. Então, que possamos fazer acontecer porque já é LEI, que no entanto, deve ser cumprida: a acessibilidade. Isso inclui, contratação de intérpretes nas escolas, faculdades, instituições, shows, eventos. Lembrando que as legendas em vídeos também devem ser incluídas. 
Que possamos a cada dia avançar e que nossas crianças possam desde cedo na escola ter acesso à LIBRAS. 

Deixo o link de uma matéria muito interessante transmitida pelo Domingo Espetacular, no ultimo domingo

A matéria foi inspirada pelo canal Visurdos. Se gostou, vale a pena acompanhar o canal: 

Referências: 

STROBEL, Karin L. As Imagens do Outro sobre a Cultura Surda. Florianópolis: UFSC, 2008.
Direitos dos Surdos: 

Comentários

Luiz Augusto da Silva disse…
Minha Sintonia, parabéns pela publicação. Compartilho.
Beijos no coração ♡

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…

ORAÇÃO PELA PÁTRIA

Por Luiz Augusto da Silva
Querido povo brasileiro, só mesmo a oração e a bondade  divinal poderá  moralizar a crise política nacional e dar ao Brasil proteção total! Oremos: Senhor faça o gigante pela  própria natureza,  adormecido em berço esplêndido,  despertar deste atual pesadelo.  Ilumina aos nossos  representantes  para que tenham pela  nossa nação  mais respeito e maior zelo.  Façamos à Deus nosso apelo para sairmos   deste cruel desmantelo. Senhor, livrai-nos do homem corruptor  e das garras do leão devorador.  Faça o povo brasileiro ordeiro  e livre do jugo estrangeiro . Amém!
Uma reflexão para o atual momento!