Pular para o conteúdo principal

Reatech 2017! A inclusão acontecendo!

Por Fernanda Santiago


Dos dias 1 a 4 de Junho aconteceu a 15ª Reatech – Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade. Muitas novidades foram apresentadas. Foi uma alegria poder ver de perto a inclusão levantando a bandeira das novas possibilidades e rumos.


A edição reuniu em torno de uns 300 expositores de diversos segmentos. Foi possível encontrar variáveis deficiências unidas somente num propósito: a inclusão. Ter acessibilidade não é apenas colocar rampas em estabelecimentos. Vai além disso. E as placas em braile? Alguém lembra delas? E o intérprete de libras, tem no seu estabelecimento? 









Já existem vários projetos em ação. O que deve acontecer agora é cada cidade, empresa, tomar consciência disso e realmente abraçar a causa. Carros, ônibus, aparelhos de acessibilidade e mobilidade dominaram a feira. O esporte também atrai a cada dia o deficiente. Além disso, terapia com bichos é o investimento para quem sofre de síndromes, como o TEA, TDAH, Down, etc. Além disso, a equoterapia já trabalha a inclusão no esporte equestre com profissionais da saúde junto ao treinamento, que não é oferecido com trabalho de performance, mas como terapia, trabalhando a insegurança e ansiedade de diversas síndromes.







Assuntos neurológicos e terapêuticos também estiveram presentes na feira:







Algumas empresas também estavam retrucando profissionais deficientes:






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …