Pular para o conteúdo principal

Aceite as pessoas!

Fernanda Santiago Valente

“Portanto, aceitem uns aos outros, da mesma forma que Cristo os aceitou, a fim de que vocês glorifiquem a Deus” (Romanos 15.7

Penso que uma das tarefas mais difíceis da vida é aceitar o outro. O ser humano tem a tendência de aceitar com mais facilidade aquele que se parece com ele, que tem a mesma opinião que a dele, que enfim, tem uma vida parecida com a dele. Jesus chamou todos, aceitou todos exatamente do jeito que eram, repletos de falhas. Jesus ainda convida a todos para estarem com Ele. Quando aceito o outro sem julgamentos, faço o que Jesus pede.
Quando olhamos para nós mesmos, nos achando perfeitos, levando em consideração apenas a nossa opinião, seguindo sempre o nosso senso comum (aquelas opiniões que foram inseridas em nossas vidas para sermos aceitos ou então, a imitação dos comportamentos das nossas famílias), criamos barreiras para conhecer e aceitar o outro. Porém, isso não significa que o meu senso comum esteja errado, mas, exigir que o outro aceite as nossas imposições é. Queremos mudar o outro conforme o nosso jeito e não como Jesus quer.
Ao invés de nos preocuparmos em querer urgentemente mudar o outro, precisamos a cada dia mudar a nós mesmos, eliminando os obstáculos. Temos que arrancar tudo o que nos limita. Se uma pessoa não me aceita por eu não pensar ou agir como ela, devo apenas orar. Se eu não concordo com os pontos de vista ou comportamento de alguém, quem sou eu para interferir? Só Deus tem o poder de transformar o coração de alguém. Devo sim mostrar a minha visão de vida para o outro, mas jamais força-lo a pensar ou agir como eu. As pessoas são diferentes e cada uma tem sua graça e habilidade. Por isso, nos complementamos. Precisamos ouvir a história do outro. Entender que existe um traço.

A partir do momento que deixamos a empatia dominar a nossa vida, temos a capacidade de entender o outro, nos colocar no lugar, enxergar toda uma história sem julgamentos e aceitar. Isso nos ensina muito sobre aceitação, perdão e amor. Jesus pede que aceitemos o outro do jeito que está: confuso, cheio de vícios, paralisado, mentiroso, egocêntrico, entre tantos comportamentos destrutivos... Jesus aceita. Você e eu devemos aceitar também. Quem transforma as nossas vidas é o Espírito Santo. É ELE quem toca. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …