Pular para o conteúdo principal

Aceite as pessoas!

Fernanda Santiago Valente

“Portanto, aceitem uns aos outros, da mesma forma que Cristo os aceitou, a fim de que vocês glorifiquem a Deus” (Romanos 15.7

Penso que uma das tarefas mais difíceis da vida é aceitar o outro. O ser humano tem a tendência de aceitar com mais facilidade aquele que se parece com ele, que tem a mesma opinião que a dele, que enfim, tem uma vida parecida com a dele. Jesus chamou todos, aceitou todos exatamente do jeito que eram, repletos de falhas. Jesus ainda convida a todos para estarem com Ele. Quando aceito o outro sem julgamentos, faço o que Jesus pede.
Quando olhamos para nós mesmos, nos achando perfeitos, levando em consideração apenas a nossa opinião, seguindo sempre o nosso senso comum (aquelas opiniões que foram inseridas em nossas vidas para sermos aceitos ou então, a imitação dos comportamentos das nossas famílias), criamos barreiras para conhecer e aceitar o outro. Porém, isso não significa que o meu senso comum esteja errado, mas, exigir que o outro aceite as nossas imposições é. Queremos mudar o outro conforme o nosso jeito e não como Jesus quer.
Ao invés de nos preocuparmos em querer urgentemente mudar o outro, precisamos a cada dia mudar a nós mesmos, eliminando os obstáculos. Temos que arrancar tudo o que nos limita. Se uma pessoa não me aceita por eu não pensar ou agir como ela, devo apenas orar. Se eu não concordo com os pontos de vista ou comportamento de alguém, quem sou eu para interferir? Só Deus tem o poder de transformar o coração de alguém. Devo sim mostrar a minha visão de vida para o outro, mas jamais força-lo a pensar ou agir como eu. As pessoas são diferentes e cada uma tem sua graça e habilidade. Por isso, nos complementamos. Precisamos ouvir a história do outro. Entender que existe um traço.

A partir do momento que deixamos a empatia dominar a nossa vida, temos a capacidade de entender o outro, nos colocar no lugar, enxergar toda uma história sem julgamentos e aceitar. Isso nos ensina muito sobre aceitação, perdão e amor. Jesus pede que aceitemos o outro do jeito que está: confuso, cheio de vícios, paralisado, mentiroso, egocêntrico, entre tantos comportamentos destrutivos... Jesus aceita. Você e eu devemos aceitar também. Quem transforma as nossas vidas é o Espírito Santo. É ELE quem toca. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Seres Especiais

Por Luiz Augusto da Silva

Devemos sempre insistir na busca dos ideais. Perseverar sem cansaço, até às metas finais. Recorrermos aos meios, humanos e materiais. Confiantes no apoio, dos Seres Especiais. Sermos sempre otimistas, acreditando nas forças divinas. Fortalecidos pelo altruísmo, impulsos que reanimam. Felizmente neste mundo, os amigos aparecem. Aumentam as energias, que aos idealistas fortalecem. Agosto /2008 (Modificado)

Ninguém pode limitar os seus sonhos

Por Fernanda Valente


E se uma garotinha surda decidir ser bailarina? Quem impedirá? Estamos aqui para incluir e transformar. Isso é o que você poderá conferir ao assistir o curta-metragem de animação Tamara, produzida e criada por House Boat Animation. O filme é muito interessante para passar em sala de aulas para explicar a diversidade às crianças. Está disponível na Internet e serve como ferramenta para promover valores como respeito e empatia. Tamara é uma garotinha surda que quer ser bailarina. Qual é a barreira que os professores e os alunos podem tirar disso?

Fernanda Valente - Jornalista com especialização em Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Estudou teatro, fazendo parte do Grupo GEXTUS (Grupo Experimental de Teatro da UniSantos). É Instrutora da Libras (Língua Brasileira de Sinais). Ministrou aulas de design gráfico para surdos. Trabalhou como produtora e repórter em alguns programas de TV regionais. Hoje se dedica a trabalhos de comunicação digital e ao …

Dois filmes sobre deficiência física para assistir no dia dos namorados

Por Fernanda Valente
Trago hoje dois filmes para reflexão. Como eu era antes de você é um filme que mexe com as nossas emoções. Porém, foge de toda a ideia que tratamos sobre a inclusão. Penso que o personagem na história, Will, que é tetraplégico joga fora tudo o que estamos vendo como evolução nos dias de hoje. A deficiência física é tratada como um caos, como algo sem solução, sem esperança, sem fé... É jogar fora todo o amor de Louisa. Veja o filme e entenda a minha frustração.



Já o filme Ferrugem e Osso, que também trata de um romance mostra uma construção rica e verdadeira de uma pessoa que adquire a deficiência física após um acidente. Vai mostrar a depressão, a adaptação, aceitação e novas possibilidades de vida. Não acabou. Há possibilidades. Há vida!



Feliz dia dos Namorados! Deixo abaixo uma linda poesia pessoal do meu amigo poeta Luiz Augusto que fala sobre construção familiar. 

O Cravo e a Rosa

Ainda um jovem cravo Uma rosa encontrei Com pétalas aveludadas Por ela me encantei
No j…