Pular para o conteúdo principal

Fomos projetados como seres relacionais

Fernanda Santiago Valente

“Ore para que, estando arraigados e alicerçados em amor, vocês possam (...) compreender a largura, o comprimento, a altura e a profundidade, e conhecer o amor de Cristo que excede todo conhecimento” (Ef. 3.17-19)

Deus nos criou de forma única e nos chamou para nos relacionarmos com Ele e também com as pessoas ao nosso redor. É só olhar para a cruz! Um relacionamento vertical, direto com o Pai e um relacionamento horizontal, com todas as pessoas que fazem parte das nossas vidas.
Lógico que cada pessoa tem a sua peculiaridade. Algumas pessoas são mais retraídas, outras são mais extrovertidas, mas o importante aí é que todas foram feitas para se relacionar umas com as outras.
Em algum momento da nossa vida, precisaremos perdoar pessoas que nos decepcionaram, ou então, se relacionar com pessoas que não tenham muito a ver com nossas afinidades. Precisamos aprender a conhecer o outro e entender que somos diferentes em características e personalidade, mas que somos totalmente iguais em relação a receber o amor do PAI. Somos todos amados por ELE.
Isso parece até bonito, mas tem que ser real em nossas vidas. A alma fica leve. Não é só palavras. Temos que ter a atitude de perdoar e também de perceber aquele que não conhecemos.
Com a correria do dia a dia pouco paramos para nos dedicar a quem não conhecemos. Por que não conversar com alguém que nunca falou antes? Por que protelar o perdão daquele desentendimento com aquela pessoa que era tão querida para você? Por que não separar um dia especial só para o seu cônjuge? Marcar um passeio ou um café com um algum parente ou amigo.
Nossa vida fica muito mais saudável quando estamos nos relacionando inteiramente com as pessoas ao nosso redor.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…