Pular para o conteúdo principal

Neste dia das crianças, resgate as brincadeiras antigas

Fernanda Valente

A minha infância foi rodeada de alegrias e as crianças podiam brincar livremente nas ruas. Hoje, isso já não é mais possível por causa do grande número de carros que transitam e também pela insegurança que rodeia a todos que moram na cidade. Creio que em cidades pequenas muitas brincadeiras antigas ainda estão vivas.
Segue algumas brincadeiras inesquecíveis que valorizam a coordenação motora, estimulação, imaginação da criança e trabalhos em grupo, principalmente de socialização: Pega-pega, queimada, esconde-esconde, agacha-agacha, elefantinho colorido, estátua, amarelinha, elástico, passa-anel...
No vídeo abaixo, um pouquinho da brincadeira passa anel apresentado no Programa Quintal da Cultura. 


Outra forma divertida eram as cirandas: A canoa virou, aí, eu entrei na roda, ciranda, cirandinha, peixe-vivo, entre outras canções que ensinam e colocam a criança em movimento.

Já que não podemos ter esse coletivo na rua em que moramos, é interessante que pedagogos e professores estimulem essas brincadeiras na escola, numa aula de educação física em espaços como os pátios e quadras. 

Comentários

Querida Fernanda, parabéns por mais esta publicação. Compartilho. Beijos no coração ☆♡☆

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…