Pular para o conteúdo principal

Episódio da série Filosofia Pop discute a questão das drogas lícitas e ilícitas e suas relações com a sociedade

Com mediação de Marcia Tiburi, o tema é discutido por Andréa Costa Dias e Mauricio Fiore, no SescTV

Foto: Alex Ribeiro/Visor Mágico

O que são drogas? Que tipo de discurso existe sobre o assunto? O que leva uma pessoa a consumir drogas lícitas ou ilícitas?  Essas são algumas das questões tratadas pela psicóloga Andréa Costa Dias e pelo antropólogo Mauricio Fiore no episódio Drogas, da série Filosofia Pop, exibido pelo SescTV, no dia 5/2, domingo, às 20h (Assista também em sesctv.org.br/aovivo). Idealizada e apresentada pela filósofa e escritora Marcia Tiburi, a série tem direção de Esmir Filho.

“Há um desconhecimento do que sejam as drogas”, comenta Tiburi. Para Andréa Costa Dias, o discurso sobre o tema no Brasil ainda é autoritário. “Não é incomum frases do tipo: ‘Droga não dá futuro’; ‘As drogas têm poder de destruição enorme’; ‘Dependente de droga é aquele que o seu destino é ou será a prisão, ou o caixão”, expõe. A psicóloga chama a atenção para a importância de se interrogar um pouco sobre esse tipo de questão.   

“Mas quem é então que entende de drogas?”, pergunta Tiburi. Para Mauricio Fiori, todas as pessoas possuem conhecimento. Ele explica que, em uma definição farmatológica, droga é tudo aquilo que é inserido ou ingerido num organismo vivo, produz alguma modificação e não é alimento.  O antropólogo fala sobre as drogas psicoativas, cujos efeitos atingem diretamente a consciência e a percepção do indivíduo. “Também há drogas que a finalidade principal delas não é esta”, diz. Ele cita alguns antigripais, medicamentos que dão sono, porém não foram desenvolvidos com este propósito.

Os convidados também debatem sobre a forma como a droga é vista, dependendo do contexto em que ela se encontra, e sobre quem é usuário e quem é drogado. Discutem sobre como funciona a proibição das drogas; por que se consomem diferentes tipos de substâncias químicas, como antidepressivos, calmantes, anabolizantes, anfetaminas e viagra; e o uso de drogas por crianças e adolescentes, como o metilfenidato, estimulante químico do sistema nervoso central, utilizado como remédio. Gravado no Sesc Interlagos, na capital paulista, o episódio é dividido em três blocos, e traz a participação da plateia com perguntas.


SERVIÇO:

Filosofia Pop
Drogas
Estreia: 5/2 domingo, às 20h
Reapresentações: 6/2, segunda, às 18h; 7/2, terça, às 11h; 9/2, quinta, às 16h; 11/2, sábado, às 5h e às 16h; e 12/2, domingo, às 10h.
Classificação indicativa: 12 anos
Apresentação: Marcia Tiburi
Direção: Esmir Filho
Produção: Saliva Shots
Duração: 54’7”

Para sintonizar o SescTV:
Canal 128, da Oi TV
Ou consulte sua operadora
Assista também online em sesctv.org.br/aovivo
Siga o SescTV no twitter: http://twitter.com/sesctv
E no facebook: https: facebook.com/sesctv




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Atypical, o que você precisa saber sobre o autismo

Fernanda Santiago Valente Você quer saber um pouco mais como é a vida de um garoto com o transtorno do espectro autista que está entrando na vida adulta? Para isso vale a pena assistir a série Atypical que está na Netflix desde o começo do mês de agosto. Não tem como não se apaixonar pelo personagem Sam, que está na fase de descobertas e quer arranjar uma namorada. É nessa busca pela paixão que se desenrola a história. Vamos entender como funciona a sua personalidade e como a situação afeta aqueles que estão ao seu redor. Algo muito interessante a se observar é a relação dele com a psicóloga. Sam se apaixona por ela. Isso é muito comum acontecer com paciente e profissional de sexos opostos, geralmente os pacientes que tem algum tipo de transtorno sempre se apaixonam por seus psicólogos.


Sam, apresentando os sintomas mais nítidos do espectro autista é um adolescente que tem sentimentos como qualquer outro. A única diferença é que seus sentimentos não são interpretados de forma comum. O ro…