Pular para o conteúdo principal

Judô é um esporte que ajuda na evolução e interação de pessoas especiais

Por Roberta Viana Fernandes
Imagem: Martini Leandro Augusto

Olá, desta vez falarei sobre a inclusão de crianças especiais no esporte, mais especificamente o judô.
Nos anos em que fiz estágio dando aulas de judô pela Prefeitura da Praia Grande, me deparei com dois alunos especias, um tinha Síndrome de Down e o outro tinha um grau leve de autismo.
Uma criança que possui Síndrome de Down tem ótima flexibilidade, fazendo com que os exercícios propostos sejam realizados com facilidade, já uma criança com autismo, dependendo do grau, possui grande dificuldade e requer atenção dobrada na hora da realização da atividade, pois sua musculatura é bem rígida e é necessário que a professora transmita de forma diferente a atividade para que haja um entendimento claro para esse aluno.
Imagem: Marta Judi

Em relação à essa minha experiência, no primeiro contato que tive com a mãe do aluno com Síndrome de Down foi bem tranquila, a mesma sempre estava presente nos treinos, pois o aluno era muito agitado e hiperativo, mas fazia todos os exercícios propostos de forma muito consciente e alegre. Já o aluno com autismo, a abordagem da mãe foi diferente, foi passado que o menino não falava, não obedecia e não iria aprender, que o mesmo só estava no esporte para se distrair. Só que para a surpresa da mãe e minha ,o aluno autista, já com os primeiros treinos podíamos ver a evolução. O menino aprendeu alguns exercícios de alongamento, aprendeu a fazer exercícios com parceiros, e o cumprimento do judô e o mais legal e interessante, aprendeu a contar em japonês.
Ao passar por essa experiência, pude ver que na maioria das vezes, quem tem filhos com necessidades especiais não possuem orientação sobre os problemas dos filhos, e muitas vezes, as próprias mães e familiares não acreditam em uma evolução do ente querido.
Mas com muita paciência e tranquilidade, dependendo do grau do problema, é possível sim uma transmissão de conhecimentos, no caso o esporte em questão, e pode-se ver nitidamente a evolução e aprendizado adquirido pelo aluno em questão.
E nunca esqueça, a coragem só nos leva adiante.

Comentários

Ótimo texto! É muito importante a inclusão das crianças especiais no esporte e também a conscientização dos pais e familiares.

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Atypical, o que você precisa saber sobre o autismo

Fernanda Santiago Valente Você quer saber um pouco mais como é a vida de um garoto com o transtorno do espectro autista que está entrando na vida adulta? Para isso vale a pena assistir a série Atypical que está na Netflix desde o começo do mês de agosto. Não tem como não se apaixonar pelo personagem Sam, que está na fase de descobertas e quer arranjar uma namorada. É nessa busca pela paixão que se desenrola a história. Vamos entender como funciona a sua personalidade e como a situação afeta aqueles que estão ao seu redor. Algo muito interessante a se observar é a relação dele com a psicóloga. Sam se apaixona por ela. Isso é muito comum acontecer com paciente e profissional de sexos opostos, geralmente os pacientes que tem algum tipo de transtorno sempre se apaixonam por seus psicólogos.


Sam, apresentando os sintomas mais nítidos do espectro autista é um adolescente que tem sentimentos como qualquer outro. A única diferença é que seus sentimentos não são interpretados de forma comum. O ro…