Pular para o conteúdo principal

Judô é um esporte que ajuda na evolução e interação de pessoas especiais

Por Roberta Viana Fernandes
Imagem: Martini Leandro Augusto

Olá, desta vez falarei sobre a inclusão de crianças especiais no esporte, mais especificamente o judô.
Nos anos em que fiz estágio dando aulas de judô pela Prefeitura da Praia Grande, me deparei com dois alunos especias, um tinha Síndrome de Down e o outro tinha um grau leve de autismo.
Uma criança que possui Síndrome de Down tem ótima flexibilidade, fazendo com que os exercícios propostos sejam realizados com facilidade, já uma criança com autismo, dependendo do grau, possui grande dificuldade e requer atenção dobrada na hora da realização da atividade, pois sua musculatura é bem rígida e é necessário que a professora transmita de forma diferente a atividade para que haja um entendimento claro para esse aluno.
Imagem: Marta Judi

Em relação à essa minha experiência, no primeiro contato que tive com a mãe do aluno com Síndrome de Down foi bem tranquila, a mesma sempre estava presente nos treinos, pois o aluno era muito agitado e hiperativo, mas fazia todos os exercícios propostos de forma muito consciente e alegre. Já o aluno com autismo, a abordagem da mãe foi diferente, foi passado que o menino não falava, não obedecia e não iria aprender, que o mesmo só estava no esporte para se distrair. Só que para a surpresa da mãe e minha ,o aluno autista, já com os primeiros treinos podíamos ver a evolução. O menino aprendeu alguns exercícios de alongamento, aprendeu a fazer exercícios com parceiros, e o cumprimento do judô e o mais legal e interessante, aprendeu a contar em japonês.
Ao passar por essa experiência, pude ver que na maioria das vezes, quem tem filhos com necessidades especiais não possuem orientação sobre os problemas dos filhos, e muitas vezes, as próprias mães e familiares não acreditam em uma evolução do ente querido.
Mas com muita paciência e tranquilidade, dependendo do grau do problema, é possível sim uma transmissão de conhecimentos, no caso o esporte em questão, e pode-se ver nitidamente a evolução e aprendizado adquirido pelo aluno em questão.
E nunca esqueça, a coragem só nos leva adiante.

Comentários

Ótimo texto! É muito importante a inclusão das crianças especiais no esporte e também a conscientização dos pais e familiares.

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …

Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…