Pular para o conteúdo principal

Os românticos

Por Caroline Trevisan 

Você sonha com o príncipe encantado como nos contos de fadas e durante a transição de infância para a adolescência, acredita que ele existe e te fará a pessoa mais feliz do mundo. Porém durante o tempo há sempre aquele primeiro amor com muitos sonhos, timidez, curiosidades e possíveis frustrações/ decepções.
Contos de fadas não são tão diferente da realidade, pois há cenas felizes e de agonia aos telespectadores. Na vida real, felizes para sempre não existe, sempre aparecem problemas para serem resolvidos.
Quem nunca sentiu esperança, mesmo depois de tantas quedas sentimentais? Infelizmente isso faz parte da etapa chamada maturidade, onde se desenvolve muito conhecimento e aprendizado a partir dos acontecimentos já vividos (erros, acertos, medos, atitudes, etc). No entanto, não deixe essas sensações te impedirem de ter atitude seguindo os seus instintos pessoais relacionados às suas vontades, pois já dizia o ditado “quem arrisca não petisca”.
Outro pensamento importante é não ter pressa. Pode parecer clichê, mas esse é um dos segredos que ajudam você a não atrair cilada para a sua vida “a pressa é a inimiga da perfeição” lembram?
Tudo pode acontecer quando não procuramos e nem esperamos nada naquele momento, portanto nunca diga que seu destino é não ter ninguém, permita-se conhecer pessoas, sair e aproveitar a companhia de amigos e amigas.
Acredite: as coisas acontecem no tempo certo e é quando a gente menos espera. Então não perca as esperanças.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















Roberto Carlos, O contador de Histórias

Fernanda Santiago
O contador de Histórias – Se você ainda não assistiu ao filme, recomendo que coloque na sua lista. Sabe aquelas histórias envolventes e reflexivas? Será que vale a pena investir numa pessoa que todo mundo diz que não tem jeito? Esta história verídica diz que sim. O filme conta a história de Roberto Carlos, um menino que teve sua primeira infância na Febem, devido a ignorância da sua mãe, mostrando o que a falta de educação e instrução faz com a sociedade. Para o sistema, Roberto Carlos era mais um “delinquente”, mas a condição de vida dele começou a mudar quando surgiu na Feben, uma educadora francesa que assumiu um papel maravilhoso na sua vida: o aceitou, o educou, o instruiu e acima de tudo, ensinou na prática que o amor é um longo exercício de paciência. Faz tempo que assisti ao filme, mas recentemente encontrei uma palestra do próprio Roberto Carlos no YouTube. Fiquei encantada. Hoje, é ele quem assume o papel de educador. Além disso, ele faz com outras crianças o…

Resenha: Contos de enganar a morte , de Ricardo Azevedo, 1ª edição - 2003.

Por Thiago Grass
Pode-se dizer que o folclore é uma força em constante movimento, uma fala, um símbolo, uma linguagem que o uso torna coletiva. Por meio dele, as pessoas dizem e querem dizer. E a dica de leitura bebe justamente dessa fonte da cultura popular. No livro “Contos de enganar a morte”, o escritor Ricardo Azevedo explora esse tema tão delicado de forma leve e criativa. O próprio autor menciona na obra:
Trata-se de um grave erro considerar a morte um assunto proibido ou inadequado para crianças. Heróis nacionais como Ayrton Senna, presidentes da república e políticos importantes, artistas populares, parentes, amigos, vizinhos e até animais domésticos infelizmente podem morrer e morrem mesmo. A morte é indisfarçável, implacável e faz parte da vida (AZEVEDO, 2003, p.58).
Portanto, o livro reúne quatro narrativas sobre a “hora de abotoar o paletó”, “entregar a rapadura”, “bater as botas”, “esticar as canelas”. Nesses contos, os personagens se defrontam com a morte, contudo, ninguém …