Pular para o conteúdo principal

Leituras para o mês de Janeiro





    Fernanda Santiago                                    



Aprendi a amar listas e separei alguns livros que lerei neste mês. Pela ordem, já tenho na minha estante quatro livros, mas se sobrar tempo, acrescentarei mais. Eu sigo uma linha de leitura e leio um livro por vez, apesar de admirar quem consegue ler dois ou três de uma só vez. Às vezes me vejo relendo o livro, estudo o psicológico dos personagens e às vezes do escritor, ou seja, gosto de me aprofundar e isso, dependendo da intensidade do livro, demora. Ano passado, eu cumpri as minhas listas, mas não consegui escrever muitas resenhas, pela vida corrida de mãe mesmo. Este ano, espero conseguir escrever um pouco sobre cada livro. Segue a minha lista :

Escolhi um clássico para começar o ano, leitura indicada por uma amiga O amor nos tempos do cólera, de Gabriel Garcia Marquez. A história é sobre um homem se apaixona pela trança de uma menina de família. O idílio dura algumas cartas, mas ao conhecer seu admirador, a moça rejeita-o e casa com outro. O amor, porém, persiste e dura a vida inteira. Nesta fábula de realismo-fantástico, Gabriel García Márquez mostra que a paixão não tem idade.

Uma leitura escolhida por mim é A garota no trem, de Paula Hawkins. O livro fez um grande sucesso em 2015 e virou filme. Porém, não li o livro e nem assisti ao filme. A sinopse: Todas as manhãs Rachel pega o trem das 8h04 de Ashbury para Londres. O arrastar trepidante pelos trilhos faz parte de sua rotina. O percurso, que ela conhece de cor, é um hipnotizante passeio de galpões, caixas d’água, pontes e aconchegantes casas. Em determinado trecho, o trem para no sinal vermelho. E é de lá que Rachel observa diariamente a casa de número 15. Obcecada com seus belos habitantes – a quem chama de Jess e Jason –, Rachel é capaz de descrever o que imagina ser a vida perfeita do jovem casal. Até testemunhar uma cena chocante, segundos antes de o trem dar um solavanco e seguir viagem. Poucos dias depois, ela descobre que Jess – na verdade Megan – está desaparecida.
Sem conseguir se manter alheia à situação, ela vai à polícia e conta o que viu. E acaba não só participando diretamente do desenrolar dos acontecimentos, mas também da vida de todos os envolvidos.
Uma narrativa extremamente inteligente e repleta de reviravoltas, A garota no trem é um thriller digno de Hitchcock a ser compulsivamente devorado.

Também quero ler poesias este mês e escolhi Pequenos poemas em prosa, de Charles Pierre Baudelair (1821-1867), que foi um grande poeta francês a cantar os sentimentos da cidade grande, onde as pessoas não se conhecem e onde, na multidão, é possível ser atraído por uma silhueta desconhecida. Foi assim em As flores do mal e é assim também em O spleen de Paris, coletânea de 51 poemas em prosa que foi publicada postumamente, em 1869. “Spleen” – ou enfado, melancolia sem razão objetiva, tédio – é o sentimento imbuído do qual o eu poético vagueia pela capital francesa, propondo, em pequenos textos sem rima, divagações e devaneios de fluxo de consciência, sem restrições formais, comprometidos apenas com o lirismo da alma. Não faltam na observação do poeta tipos e figuras que retratam toda a abrangência e a universalidade da miséria humana: velhos, pobres, cães, viúvas, trabalhadores e operários, beldades, artistas... Ora contos, ora pequenos perfis, estes textos demonstram toda a genialidade e a ousadia deste que foi um dos primeiros poetas modernistas.

O quarto livro que escolhi é O Poder da Mulher que Ora, de Stormie Omartian para cuidar da minha vida espiritual. Neste livro, a autora convida você a orar sugerindo 30 temas não só relevantes, mas que, de um modo ou de outro, acabam se fazendo presentes no dia a dia da mulher. Cada oração é uma entrega a Deus. Um compromisso. Um pequeno passo. Um por vez. Uma ajuda preciosa para lidar com a fé nas questões que mais a angustiam.


Todos esses livros você pode encontrar no site da Saraiva


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfeites de Natal em potes, vasos e garrafas de vidro

Pra quem ama artesanato e enfeitar a casa para o Natal, a hora é agora. Deixo abaixo algumas dicas para fazer com taças, garrafas, potes e vasos de vidro: 


















TDAH: uma forma diferente de ver o mundo

Fernanda Santiago
O TDAH é um transtorno que inclui dificuldade de atenção, hiperatividade e impulsividade. Em geral, os sintomas começam na infância e podem persistir na vida adulta. Por ser um transtorno com característica genética, não tem cura. Porém, antes de rotular qualquer TDAH são pessoas que possuem inteligência e habilidades como as outras.  Achei este vídeo abaixo muito interessante. É muito difícil impor um padrão para o TDAH. Para os educares, seria muito bom prestar atenção na maneira que eles tentam se comunicar. O menininho do vídeo mostra grande interesse pela música. Será que os pais e os educadores estão preparados para perceber as habilidades e o interesse dessas crianças? Vale a pena conferir! Além disso, também há tratamentos através de medicamentos e da psicoterapia. 

Atypical, o que você precisa saber sobre o autismo

Fernanda Santiago Valente Você quer saber um pouco mais como é a vida de um garoto com o transtorno do espectro autista que está entrando na vida adulta? Para isso vale a pena assistir a série Atypical que está na Netflix desde o começo do mês de agosto. Não tem como não se apaixonar pelo personagem Sam, que está na fase de descobertas e quer arranjar uma namorada. É nessa busca pela paixão que se desenrola a história. Vamos entender como funciona a sua personalidade e como a situação afeta aqueles que estão ao seu redor. Algo muito interessante a se observar é a relação dele com a psicóloga. Sam se apaixona por ela. Isso é muito comum acontecer com paciente e profissional de sexos opostos, geralmente os pacientes que tem algum tipo de transtorno sempre se apaixonam por seus psicólogos.


Sam, apresentando os sintomas mais nítidos do espectro autista é um adolescente que tem sentimentos como qualquer outro. A única diferença é que seus sentimentos não são interpretados de forma comum. O ro…